Aumentam casos de câncer ligados ao HPV nos EUA

A vacina contra o HPV é recomendada nos últimos 10 anos nos Estados Unidos para todos os meninos e meninas de 11 ou 12 anos

Os casos de câncer de garganta, boca e ânus associados ao vírus do papiloma humano (VPH) aumentaram desde o começo do século nos Estados Unidos, segundo cifras divulgadas na última quinta-feira (23) pelas autoridades sanitárias.

As recomendações de detecção no país se referem apenas ao câncer de colo de útero, o que comprova a eficácia da campanha de saúde pública, pois o número de mulheres afetadas pela doença diminuiu entre 1999 e 2015, o período estudado na publicação mais recente dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Mas muitos outros tipos de câncer associados ao HPV estão crescendo em ambos os sexos, um aumento que pode ser explicado parcialmente pelas mudanças no comportamento sexual, incluindo sexo oral e anal sem proteção, segundo especialistas dos CDC.

Juntando todas as categorias, os casos de câncer relacionados com HPV aumentaram de 30.000 a 43.000 anualmente entre 1999 e 2015. Em relação à população, a taxa aumentou de 11,2 a 12,1 por 100.000 pessoas. Esta cifra aumentou entre os homens, enquanto diminuiu para as mulheres, devido a uma melhor avaliação do colo de útero.

A vacina contra o HPV é recomendada nos últimos 10 anos nos Estados Unidos para todos os meninos e meninas de 11 ou 12 anos, com uma possível atualização para moças de 13 a 26 anos e rapazes de 13 a 21.

A vacinação avança, segundo outro informe publicado pelos CDC. Em 2017, cerca de 66% dos adolescentes de 13 a 17 anos receberam sua primeira dose e aproximadamente a metade havia tomado todas as doses necessárias.

“A vacina é a melhor forma de proteger nossos jovens contra os cânceres causados pela infecção por HPV”, disse o diretor dos CDC, Robert Redfield.

Veja também