Cientistas usam lupa cósmica para ver detalhes de colisão de galáxias

Os cientistas conseguiram fazer a melhor imagem da colisão entre duas galáxias de quando o universo tinha apenas metade da sua idade atual

O famoso detetive Sherlock Holmes usava uma lupa para descobrir pistas quase invisíveis dos casos que investigava. Uma equipe de cientistas usou uma enorme lupa cósmica para ver detalhes impossíveis de serem detectados de outra forma. O resultado pode ser visto na foto acima.

Os cientistas conseguiram fazer a melhor imagem da colisão entre duas galáxias de quando o universo tinha apenas metade da sua idade atual. Isso foi possível porque a equipe uniu o poder do Telescópio Alma e de outros instrumentos instalados no solo e no espaço com as lentes gravitacionais, que funcionam como uma lupa do tamanho de uma galáxia.

“Embora os astrônomos normalmente fiquem limitados pelo poder dos seus telescópios, em alguns casos a nossa capacidade de observar detalhes é aumentada por lentes naturais criadas pelo universo”, disse em nota o autor principal do estudo Hugo Messias.

As lentes cósmicas são criadas por estruturas massivas como galáxias ou aglomerados de galáxias, que desviam a luz dos objetos que estão por trás devido à sua forte gravidade. Esse efeito é chamado lente gravitacional.

As propriedades de ampliação da lente gravitacional permitem que astrônomos estudem objetos que, de outra forma, não seriam visíveis. Assim também é possível comparar galáxias locais com outras muito mais remotas, observadas quando o universo era significativamente mais novo.

Mas para que estas lentes gravitacionais funcionem, a galáxia lente e a que se encontra por trás dela devem estar precisamente alinhadas. Estes alinhamentos ocasionais são raros e tendem a ser difíceis de identificar.

A galáxia H1429-0028, vista na foto, é uma dessas fontes. Os diferentes telescópios forneceram várias informações que permitiram aos pesquisadores conhecer melhor do que nunca a natureza deste tipo de objeto tão incomum.

As imagens de alta resolução mostraram que a galáxia lente é uma galáxia de disco vista de lado, semelhante à Via Láctea. A equipe também descobriu que o sistema no  fundo se tratava de duas galáxias em processo de colisão.

O sistema destas duas galáxias em colisão parece as Galáxias Antena. Mas enquanto o sistema Antena forma estrelas a uma taxa de apenas algumas dezenas de massas solares por ano, a H1429-0028 transforma mais de 400 vezes da massa do Sol em gás em novas estrelas todos os anos.

 Diagrama mostra como a lente gravitacional em torno de uma galáxia foca a luz emitida por uma galáxia longínqua e cria uma imagem distorcida mas muito mais brilhante (Crédito da foto: ESO/M. Kornmesser)