Astrônomos obtêm imagens da Nebulosa do Camarão

O Telescópio de Pesquisa VLT obteve algumas das fotografias de maior qualidade até o momento da Nebulosa do Camarão, um "enorme berçário estelar"

Berlim – O Telescópio de Pesquisa VLT (VST), situado em Paranal (Chile), obteve algumas das fotografias de maior qualidade até o momento da Nebulosa do Camarão, um “enorme berçário estelar”.

Segundo informou nesta quarta-feira o Observatório Austral Europeu (ISSO) em comunicado, nestas imagens foi possível observar “grupos de estrelas quentes recém-nascidas encolhidas entre as nuvens que compõem a nebulosa”.

A Nebulosa do Camarão se encontra cerca de 6 mil anos luz da Terra, na constelação de Escorpião, uma região cheia de gás e bolhas escuras que formam novas estrelas quentes.

Esta formação espacial, também conhecida como Gum 56, tem uma extensão que equivale a quatro vezes as dimensões da Lua cheia.

Há milhões de anos surgiram nesta parte do céu várias estrelas, tanto de forma individual como reunidas em cúmulos.

Nas imagens facilitadas pelo ISSO, é possível ver o Collinder 316, um grande cúmulo de estrelas disperso, que faz parte de um conjunto ainda maior de estrelas luminosas.

Além disso, foram observadas diversas estruturas ou cavidades de cor mais escura, nas quais a matéria interestelar foi expulsa por fortes correntes de vento, geradas desde as estrelas quentes próximas.

O telescópio VST, de 2,6 metros de diâmetro e construído em torno da câmara OmegaCAM, que tem 32 detectores CCD capaczes de gerar imagens de até 268 megapíxels, é o maior telescópio do mundo para pesquisas do céu com luz visível.

As fotografias do VST foram melhoradas com outras obtidas pelo astrônomo torcedor australiano Martin Pugh, que tomou suas imagens desde a Austrália com telescópios de 32 e 13 centímetros de diâmetro.