Astrônomos descobrem a maior estrela amarela até o momento

Observatório descobriu estrela amarela com mais de 1,3 mil vezes o diâmetro do Sol, o que a transforma em uma das dez maiores estrelas já detectadas

Berlim – O Observatório Europeu Austral (ISSO) descobriu a maior estrela amarela – com mais de 1,3 mil vezes o diâmetro do Sol -, o que a transforma em uma das dez maiores estrelas detectadas até o momento, informou nesta quarta-feira este centro em comunicado.

Esta estrela hipergigante, detectada com o interferômetro do telescópio VLT (Very Large Telescope) do observatório da côte D’Azur em Nice, França, faz parte de um sistema composto por duas estrelas, onde a segunda, de menor tamanho, se encontra em contato com a hipergigante.

As pesquisas da HR 5171 A (1), como se conhece formalmente a estrela amarela, foram realizadas durante 60 anos, algumas vezes inclusive por amadores, e indicam que este estranho objeto, maior do que o esperado, muda muito rápido e foi detectado em uma fase muito breve e instável de sua vida.

Devido a esta instabilidade, as hipergigantes amarelas expelem material para o exterior, formando uma atmosfera grande e estendida ao redor da estrela.

Essa nova descoberta a transforma assim na maior estrela amarela conhecida e entra na lista das dez maiores estrelas, com 50% a mais de tamanho que a famosa supergigante vermelha Betelgeuse e ao redor de um milhão vezes mais brilhante que o Sol.

Os astrônomos utilizaram na pesquisa uma técnica chamada interferometria que combina a luz recolhida por múltiplos telescópios individuais, recriando um telescópio gigante de mais de 140 metros de tamanho.

“As novas observações também mostraram que esta estrela tem uma companheira muito próxima, formando um sistema binário que nos surpreendeu”, descreveu hoje em comunicado Olivier Chesneau, líder da equipe internacional de colaboradores da pesquisa.

A estrela pequena, que orbita a hipergigante a cada 1,3 mil dias “pode influenciar no destino da HR 5171 A, por exemplo, fazendo com que expulse suas camadas exteriores e modificando sua evolução”, acrescentou Chesneau.

As amarelas hipergigantes são muito pouco usuais. Só são conhecidas cerca de 12 em nossa galáxia, e apesar da grande distância que a separa da Terra (perto de 12 mil anos luz), o objeto pode ser visto a olho aguçando a vista.

Além disso, foi observado que a HR 5171 A foi ficando maior e enfriou nos últimos 40 anos, e sua evolução foi captada em pleno processo, algo que foi conseguido com poucas estrelas e pode ajudar a compreender os processos evolutivos das estrelas maciças em geral.