Astrônomo registra por acaso explosão de supernova em gravação

Acontecimento pôde ser capturado em imagens quando astrônomo amador Victor Buso fazia testes; é difícil prever o momento em que as supernovas vão explodir

Londres – O nascimento de uma nova supernova, um evento astronômico que ocorre durante os estágios finais da evolução de algumas estrelas e é caracterizado por uma explosão muito brilhante, foi captado por acaso por um astrônomo amador, algo que proporciona uma oportunidade de aprender mais sobre as propriedades e a evolução deste fenômeno, publicou nesta quarta-feira a revista científica “Nature”.

O acontecimento pôde ser capturado em imagens quando o astrônomo amador Victor Buso fazia testes com uma nova câmera, pois é difícil prever o momento exato em que as supernovas estão a ponto de explodir.

Geralmente, os fenômenos das supernovas podem ser contemplados em um momento indeterminado depois que a explosão já aconteceu.

Em 20 de setembro de 2016, Buso apontou sua nova câmera, montada sobre um telescópio, para uma galáxia espiral, denominada NGC 613, enquanto nascia uma supernova.

Menos de um dia depois desse acontecimento, a especialista Melina Bersten e um grupo de colegas, do Instituto de Astrofísica de La Plata, na Argentina, fizeram trabalhos exaustivos de observação e estudaram a evolução da supernova.

A luminosidade emitida pela explosão estelar aumentou de maneira muito rápida, um sinal que corresponde, segundo consideraram os autores do estudo citado, a uma fase de choque.

Esses cientistas classificam o evento estelar como um tipo de supernova IIb, conhecida como SN 2011 dh.

Os modelos científicos baseados na informação proporcionada por essa descoberta permitiram que os pesquisadores distinguissem entre diversas fases de evolução da supernova, que são reguladas pelos diferentes processos físicos.

Os especialistas concluíram que a nova análise dos sinais de choque poderia, potencialmente, fornecer mais dados sobre a estrutura do progenitor (da supernova) e do processo físico que ocorre durante a emergência do choque.