Adesivo espanta mosquitos por 48 horas

Pesquisadores americanos criaram o Kite Patch, um pequeno adesivo colorido capaz de deixar qualquer pessoa invisível para mosquitos

São Paulo – Esqueça os repelentes, inseticidas e velas de citronela. Pesquisadores americanos criaram o Kite Patch, um pequeno adesivo colorido capaz de deixar qualquer pessoa invisível para mosquitos durante 48 horas.

O Kite Patch foi desenvolvido por Grey Frandsen, Michelle Brown e Torrey Tayanaja, que trabalham nos Laboratórios Olfactor, centro de pesquisas da empresa ieCrowd, desenvolvedora de projetos sociais ligados à inovação.

O adesivo foi baseado em descobertas do cientista Anandasankar Ray e seus colegas na Universidade da Califórnia, em Riverside. Os estudos indicam que os mosquitos detectam alvos humanos a partir do dióxido de carbono emitido pelas pessoa. Esse trabalho recebeu o financiamento da Fundação Bill e Melinda Gates, criada pelo fundador da Microsoft e que busca apoiar soluções tecnológicas para problemas globais.

Com o resultado da pesquisa em mãos, os criadores do Kite Patch desenvolveram um composto químico atóxico em forma de adeviso que deve ser colocado na roupa das pessoas e é capaz de desorientar o radar de CO2 dos insetos.

Para desenvolver a ideia, o grupo buscou financiamento no site de crowdfunding Indiegogo. Inicialmente, a meta de arrecadação estava estabelecida em 75 mil dólares, mas, ao final da campanha, os pesquisadores conseguiram um valor cinco vezes maior que o estimado.

A ideia dos empreendedores, no entanto, não é apenas comercializar o adesivo para aquelas pessoas que desejam um sono tranquilo em uma noite de verão. O Kite Patch será levado para países onde há alta incidência de doenças tropicais como malária, febre amarela e dengue, cujos vetores de transmissão são os mosquitos.


De acordo com os cientistas envolvidos no projeto, quase 3,3 bilhões de pessoas no mundo vivem em áreas afetadas pela malária. Em 2010, foram registrados 216 milhões de casos de malária, resultado em 655 mil mortes.

A equipe deseja testar em larga escala o adesivo em Uganda, uma das áreas consideradas com maior infestação de mosquitos da malária. Com isso, esperam ter resultados suficientes para finalizar a formulação do adesivo e expandir a produção em outros locais.

“Com o apoio da instituição Pilgrim Africa, distribuíremos o Kite para a população de Uganda, além de analisar os resultados e coletar dados viáveis para o projeto. Essa é uma tecnologia que representa uma nova etapa na luta contra doenças relacionadas a mosquitos”, disse o pesquisador Torrey Tayanaja no vídeo de lançamento do projeto.