Virei chefe do meu melhor amigo. E agora?

A construção de uma nova relação de trabalho passa pelo alinhamento de expectativas. Confira o que dizem duas especialistas consultadas

São Paulo – Vocês sempre trabalharam em pé de igualdade, mas uma reunião com o chefe e você sai da sala dele um degrau acima na carreira. Agora vai chefiar a equipe e, inclusive, o seu melhor amigo.

“Esta é uma situação que sempre aconteceu e acontecerá nas organizações. Não há como evitá-la”, diz Karin Parodi, sócia-diretora da Career Center.

Feliz com a promoção, você sabe que o desafio começa a partir de já: precisa comunicar à equipe que é o novo líder. Uma nova relação de trabalho precisa ser construída. Qual a melhor maneira de agir? Confira o que recomendam especialistas consultadas por EXAME.com:

Alinhamento

Buscar a convergência de objetivos é a primeira medida a ser tomada, na opinião de Martha Magalhães, consultora da DMRH. Para isso, ela aconselha que sejam feitas reuniões separadamente com cada um dos ex-colegas.

“Conversando individualmente com cada integrante equipe será possível saber o que eles esperam de você nessa nova posição e comunicar também o que você espera deles”, diz.

“Reforce que este é um time e que os objetivos – enquanto equipe – devem ser alcançados”, diz Karin. Na opinião da especialista, a visão de futuro e os resultados que devem ser conquistados precisam ser constantemente reforçados.

Transparência

A relação precisar ser calcada na transparência. “A comunicação tem que se dar de forma clara, objetiva e simples”, diz Karin.
Por isso, é fundamental saber os motivos pelos quais você foi escolhido para assumir a função e não seu melhor amigo ou algum outro membro da equipe. “A lição de casa do recém-promovido é entender o cenário”, diz Martha.


Resistência

Karin alerta para uma situação que pode ser incômoda. “O ciúme e inveja poderão aparecer, principalmente se alguém da equipe tinha a expectativa de ser promovido”.

A melhor maneira de lidar com esse tipo de sentimento negativo é se colocar como um aliado. Para isso, diz Martha, sugira um plano de ação conjunto.

“Para se sair bem, o novo gestor deve se posicionar de forma que deixe claro o seu interesse e o seu esforço tendo em vista o crescimento de todos os membros da equipe”, explica a especialista. “Assim o amigo vai sentir que poderá ser elegível para uma próxima promoção, por exemplo”, explica. 

Karin concorda e diz que alinhar ‘o time’ para os objetivos a serem alcançados pode mesmo minimizar eventuais resistências. “Valorize e reconheça os esforços individuais e de equipe, reforçando e comemorando os resultados obtidos”, diz a sócia-diretora da Career Center.

Amizade

As duas especialistas consideram que hierarquia corporativa não deve ser um empecilho para manter a relação de amizade. No entanto, há algumas ressalvas a serem feitas.

Manter em mente que um novo papel foi assumido é a regra de ouro, diz Karin. “Abrir certas informações e assuntos que só o líder tem acesso pode ser um grande risco”, explica a especialista.

Martha aconselha que se evite baladas em que haja excesso de álcool no sangue, por exemplo. “Alguma intimidade pode ser revelada em momentos como esse, e o amigo, que agora é subordinado, pode não saber filtrar”, diz. “A pergunta que tem que ser feita é para quê?”, afirma. Portanto, a amizade continua, o importante é só não perder compostura para evitar contratempos.

Próxima promoção

A situação pode ficar um pouco mais delicada quando houver outra promoção em jogo. Para promover o melhor amigo, o gestor precisa ser muito cuidadoso e ter certeza de que se trata da pessoa certa para assumir a nova função. Do contrário, a probabilidade de rumores na empresa cresce.

“O gestor precisa ser muito consistente nessa hora para evitar que os outros insinuem que a amizade motivou a promoção”, diz Martha. A dica é apresentar os indicadores de desempenho que chancelem a escolha. “Assim, ele evita que a promoção do amigo seja usada contra ele”, diz.