Aulas cronometradas não fazem mais sentido

Somos, e seremos, educadores e estudantes durante toda a vida. Alguém discorda?

Madri – A educação também se prepara para uma revolução. Escrevo de Madri, na Espanha, onde participo de um encontro mundial de educadores conectados pelas redes sociais, que anualmente se reúnem em algum lugar do mundo para entender o ensino do século 21. Somos, e seremos, educadores e estudantes durante toda a vida.

O modelo educacional secular, no qual um fala e outros escutam, esgotou-se. No mundo conectado há três tipos de aluno. Aquele que em silêncio presta atenção em tudo. Um que precisa conversar e pesquisar em rede. O terceiro precisa ver, sentir e tocar para aprender. 

O espaço físico e as aulas cronometradas não fazem mais sentido. Frequentar uma escola é importante para compartilhar os valores da sociedade, o coletivismo e o trabalho em rede. Três conceitos fundamentais para você crescer na carreira. Em Madri, confirmei que o professor não é mais o dono do conhecimento, e sim o maestro do aprendizado em rede.

Em um mundo atolado de informação, o professor cada dia mais terá o papel de curador da sabedoria das multidões. Dois fatos para compartilhar: estudos do Laboratório do Futuro Britânico indicam que teremos no mínimo três profissões em nossa jornada planetária. O governo brasileiro já faz estudos sobre o impacto na Previdência causado por uma possível expectativa de vida de 120 anos. 

Então, amigo leitor, sim, teremos de estudar durante toda a vida. Em uma época, você será um administrador, depois um professor, um empreendedor, um artista, um vinicultor. Não é fantástico? Prepare-se para essa realidade. Como? Corra e volte a estudar. Ao planejar seu aprendizado em 2012, mude sua postura na sala de aula, seja simultaneamente um contestador, um pesquisador e um educador. 

Ficar sentado, esperando receber o conhecimento do professor, é um comportamento do século passado. Estude pelo prazer — se for fazê-lo por obrigação ou apenas para conseguir uma promoção, melhor nem começar. Será pior para você. Mas faça mais: frequente grupos de estudos que se organizam na internet e realizam encontros presenciais mensais, participe de trabalhos voluntários, de saraus de poesia.

A escola pode ajudá-lo, mas você é o único que pode se preparar para um mundo no qual as profissões mudam radicalmente a cada cinco anos. Neste mundo, em que a simples troca de informação é um motor de grandes mudanças, seu diploma tem prazo de validade curto. Mantenha a calma e vá em frente.