Benefícios fazem toda diferença nas 150 melhores empresas

Quem trabalha nas 150 melhores empresas conta com benefícios fora do comum, como licença-paternidade de um mês e até reprodução humana assistida

São Paulo – Dizem por aí que o dinheiro não traz felicidade nem é fator determinante para um profissional decidir entre ficar e mudar de emprego. Por outro lado, os benefícios que vão além do contra cheque, como a licença-maternidade de seis meses e o horário flexível de trabalho, parecem ter um efeito oposto.

Segundo um estudo realizado pelo instituto de Ensino e Pesquisa Insper, em conjunto com a Hays, consultoria especializada em remuneração e benefícios, apenas 20% dos candidatos estão interessados no valor do salário. Para 90% deles são os recursos não financeiros que os mantêm na companhia ou os fazem considerar uma nova proposta. 

Se depender disso, os empregados das 150 Melhores Empresas para Você Trabalhar não têm motivo para pedir demissão. isso porque, em comparação com o mercado, as melhores proporcionam benfeitorias muito acima da média. Quer exemplos? Das 700 companhias analisadas pelo Insper, 90% oferecem plano de saúde aos funcionários.

Nas melhores, essa porcentagem sobe para 95%. Elas ganham do mercado também no quesito assistência odontológica — 83% delas concedem esse benefício versus 80% das listadas na pesquisa do Insper/Hays. Quando o assunto é previdência privada, as melhores para trabalhar dão de lavada.

Hoje, mais de 67% delas mantêm um plano para seus funcionários. Nas companhias analisadas pelo Insper/Hays, apenas 52% fazem essa oferta. Em algumas empresas listadas no Guia, os benefícios são tantos que o pessoal até se esquece de todos. É o caso da Eternit, fabricante de caixas-d’água e telhas, onde o time contabiliza 30 itens no pacote — ou 38, se forem considerados os brindes e as festinhas regulares.


Não é à toa que os funcionários das Melhores Empresas para Você Trabalhar deram nota 88,0 à afirmativa “a companhia atende adequadamente minhas necessidades de saúde e outros benefícios”. Além do padrão Mais do que benefícios tangíveis ou de prateleira, as empresas listadas neste Guia se destacam por oferecer práticas que vêm garantindo a seus funcionários um trabalho com mais qualidade de vida.

São ações que não entram no pacote de remuneração, mas que podem valer muito mais do que dinheiro. Cerca de 30% delas, por exemplo, permitem que seus empregados trabalhem remotamente — prática que apenas 23% das empresas oferecem, segundo a pesquisa Insper/Hays.

Na Philips, por exemplo, até os estagiários têm direito a trabalhar um dia da semana em casa. Horário flexível também está virando uma regra no mundo das melhores. Atualmente, mais da metade delas já trabalha com esse conceito, o que evidencia uma relação de confiança cada vez maior entre empresa e empregado.

Em algumas, a liberdade de horário significa apenas escolher entre entrar mais tarde e sair mais cedo, compensando as primeiras horasdo expediente. Mas, em outras, o livre arbítrio  de horário é total. Outra prática que começou na indústria farmacêutica e hoje já se estende a outros setores é a de encurtar as sextas-feiras.

Na consultoria Accenture, durante o verão, o último dia útil da semana termina às 12h30. Na Monsanto, o funcionário pode encerrar o expediente às 15 horas toda sexta-feira, desde que trabalhe um pouquinho mais nos outros dias da semana. Esse grupo de empresas também sai na frente no zelo pelos profssionais que se tornam mãe e pai.

Um terço delas já oferece licença- maternidade de seis meses para suas funcionárias (dois a mais do permitido por lei). E os pais estão ganhando espaço nessa política também.


No Google, por exemplo, o novo pai pode ficar em casa um mês, recebendo o salário-base integralmente. Na Accenture, os empregados têm a opção de trabalhar meio período no escritório e meio em casa até o filho completar 1 mês de vida. E na TenarisConfab, eles podem trabalhar um dia da semana em casa até o filho completar 2 anos.

Ficou com vontade de trabalhar em alguma dessas empresas? Antes de preparar seu currículo, veja abaixo outros tantos benefícios que as 150 oferecem e que fogem totalmente ao padrão do mercado. É de brilhar os olhos — e encher os bolsos.

• Para o empregado que acabou de ter filho, o Google dá uma verba de 900 reais para gastar com a alimentação, seja para pedir comida em casa, seja para contratar uma cozinheira. O Laboratório Sabin também auxilia com um salário-mínimo para ajudar nas despesas extras desse período.

• A Philips dá tratamento especializado para inseminação artifcial as suas funcionárias. A companhia também estende o atendimento psicológico e psiquiátrico à família,inclusive às crianças.  

• Algumas companhias, como Magazine Luiza, Basf, Accenture, Cielo e DuPont, apresentam benefícios para parceiros do mesmo sexo. Na Eurofarma e na Unilever, casais homossexuais conseguiram até licença-maternidade de seis meses após adotar uma criança.

• Quase 40% das 150 melhores empresas oferecem ajuda para o estudo de idiomas. A Accenture vai além: subsidia até as aulas de mandarim.

• Uma prática ainda rara no mercado já é adotada por algumas das melhores empresas. Trata-se do benefício flexível, que permite ao funcionário  compor sua própria cesta de benefícios, de acordo com a verba que recebe da companhia. Já seguem esse modelo empresas como Selbetti, DuPont, Marelli e Sap Labs. 

• Uma vez por semana, os funcionários da Ourofino saem com a feira pronta. É que a empresa doa a cada um deles 10 quilos de frutas,  verduras e legumes provenientes da fazenda da própria companhia e do Ceasa. É o chamado kit horta.