Sonho de criança, a publicitária que se tornou estilista de noivas

Ela fez uma reviravolta na sua carreira e entrou para o mundo da moda e não tem arrependimentos

Quando criança, Julia Golldenzon, hoje com 38 anos, adorava costurar roupas para suas bonecas. Não à toa, moda sempre foi uma paixão, mas ela achava que não seria possível ter uma profissão na área.

“Era uma coisa que eu curtia, mas eu tinha o preconceito de pensar que não dava para seguir a carreira.” Por isso, estudou publicidade.

Trabalhou durante um ano numa agência e passou quatro em uma produtora de vídeos corporativos, mas sempre acompanhando o mundo das passarelas. Em 2002, o amor pela moda falou mais alto e ela largou tudo para fazer parte da equipe da La Stampa.

Na época, conseguiu o telefone de Marcelo Castelão, dono da marca e marido de Kátia Barros, criadora da Farm. Ligou para ele e apresentou seu currículo. Como não tinha nenhuma vaga aberta na Farm, ela foi contratada para cuidar do setor de marketing da La Stampa.

Pouco tempo depois, Julia foi trabalhar com Kátia, passando mais de oito anos na empresa e aproveitando o período para fazer um curso de desenho técnico de moda.

Em 2009, a carioca atendeu ao pedido de uma amiga, que queria que ela criasse seu vestido de casamento. As encomendas de vestidos de noiva personalizados cresceram e, em abril de 2013, Julia abriu seu primeiro ateliê.

No ano passado, mudou o estúdio para um local maior para oferecer roupas às madrinhas — desde então dobrou o faturamento. “Meu arrependimento de ter mudado de área é zero. Eu me sinto realizada e tenho muita dedicação pelo meu trabalho.”