So much news? Estude esta regra de inglês com vídeo de 3 minutos

Já ouviu falar em "uncountable nouns" ou em "quantifiers"? Aprenda tudo sobre eles e melhore seu inglês

São Paulo – Na vida profissional é muito importante se manter atualizado. A questão é que recebemos uma avalanche de notícias o tempo todo. Além disso, há todos os desdobramentos em opiniões de amigos e contatos nas redes sociais.

Para ler mais sobre esta realidade e o quanto ela impacta nossa vida, que tal assistir a um vídeo ilustrativo do canal The School of Life?

São apenas 3 minutos, só que muito rico em estruturação gramatical e vocabulário em inglês. Ressaltei o uso do que chamamos de QUANTIFIERS. Porém, antes de estudá-los, é fundamental entender o que são substantivos incontáveis e mass nouns (coletivos).

Uncountable nouns (substantivos incontáveis)

São aqueles que não são usados no plural. Alguns exemplos:

Comidas

butter, bacon, bread, cheese, meat, salt, jam, chocolate, sugar, cheese, rice, etc.
(manteiga, bacon, pão, queijo, carne, sal, geleia, chocolate, açúcar, queijo, arroz etc.)

Líquidos

water, milk, coffee, tea, wine, beer, etc.
(água, leite, café, chá, vinho, cerveja etc.)

Materiais

paper, wood, iron, gold, silver, ink, electricity, etc.
(papel, madeira, ferro, ouro, prata, tinta, eletricidade etc.)

Nomes abstratos

love, hatred, information, pleasure, music, happiness, power, fear, beauty, anger, luck, etc.
(amor, ódio, informação, lazer, música, felicidade, poder, medo, beleza, sorte etc.)

Outros

news, art, furniture, air, knowledge, money, equipment, oxygen, snow, jewerly, weather, etc.
(notícia, arte, mobília, ar, conhecimento, dinheiro, equipamento, oxigênio, neve, joias, tempo meteorológico etc.)

Quantifiers

A lot of / lots of / plenty of (muito / muita / muitos / muitas)
Podem ser usados com substantivos contáveis e incontáveis. Normalmente usados em orações afirmativas.

Exemplos:
The teacher gave us lots of homework.
(O professor nos deu muita lição de casa.)

He ate a lot of pies yesterday.
(Ele comeu muitas tortas ontem.)

We have plenty of toys here.
(Nós temos muitos brinquedos aqui.)

Much (muito, muita)
Geralmente não é usado em frases afirmativas e pouco nas interrogativas, sendo substituído por a lot of, lots of (coloquial), plenty of ou a great deal of (seguido de um substantivo no singular). Much é usado com substantivos incontáveis.

Exemplos:
There is not much work to do.
(Não há muito trabalho a fazer.)

She doesn‘t have much money.
(Ela não tem muito dinheiro.)

I don‘t have much free time.
(Não tenho muito tempo livre.)

Little (pouco, pouca)
Little é usado com substantivos incontáveis.
A little (um pouco) é usado com substantivos incontáveis e tem o significado igual a some

Exemplos:
We will have little time to get there.
(Teremos pouco tempo para chegar lá.)

I have a little money in my savings account.
(Tenho um pouco de / algum dinheiro em minha poupança.)

I’ve only read a little of the book so far.
(Até agora só li um pouco do livro.)

I understood little of what he said.
(Entendi pouco do que ele disse.)

Can we leave a little early?
(Podemos sair um pouco mais cedo?)

Many (muitos, muitas)
Usado com substantivos contáveis no plural.

Exemplos:
We have to read many books.
(Nós temos de ler muitos livros.)

Do they have many friends in Europe?
(Eles têm muitos amigos na Europa?)

Few (poucos, poucas)
Usado com substantivos contáveis no plural. A few (alguns) também é usado com substantivos contáveis no plural.  Possui significado positivo (igual ao significado de some):

Exemplos:
Few people visited him in hospital.
(Poucas pessoas o visitaram no hospital.)

Could you give me a few more details?
(Você poderia me dar mais alguns detalhes?)

Very few students learn Latin nowadays.
(Bem poucos alunos aprendem Latim hoje em dia.)

The letter came a few days ago.
(A carta chegou há alguns dias.)

All (todo, toda, todos, todas, tudo)
É usado com substantivos contáveis, substantivos incontáveis e preposições.

The Most (o mais/ a mais)
Superlativo para adjetivos longos.

Most of (a maioria de/ da/ do)
Somente pode ser usado se seguido de um determinante (the, this, that etc.) ou um pronome pessoal ou possessivo (us, you, her, his, them, ours, my etc.)

Fewer (menos)
Sempre utilizado com substantivos contáveis.

Exemplos:
The hotel is almost empty. Fewer people are traveling to our city this year.
(O hotel está quase vazio. Menos pessoas estão viajando para a nossa cidade este ano.)

There are fewer cars on the road because gas is expensive.
(Há menos carros na estrada porque a gasolina está cara.)

Less(menos)
Sempre utilizado com substantivos incontáveis.

Exemplos:
He has less money to spend since he lost his job.
(Ele tem menos dinheiro para gastar desde que perdeu o emprego.)

You need to spend less time talking to your friends on the phone and more time studying.
(Você precisa gastar menos tempo falando com seus amigos por telefone e mais tempo estudando.)

More (mais)
Pode ser utilizado tanto com substantivos contáveis quanto incontáveis, também nos comparativos.

Exemplos:
There are more good restaurants in Paris than in London.
(Há mais bons restaurants em Paris do que em Londres.)

I would visit her if I had more time.
(Eu a visitaria se tivesse mais tempo.)

Pratique compreensão oral agora e tente identificar os “quantifiers” pelo vídeo. Se preferir, confira depois no script abaixo as palavras destacadas.

Why We Should Not Watch Quite So Much News

We know that we must, to lay claim to any respectability or competence, keep up with the news. That’s why we’ve ringed the earth with satellites, crisscrossed it with fiber optic cables, and created networks of news bureaus that inform us with urgency of pretty much any event to have unfolded anywhere on the planet in the last few moments. We are, furthermore, equipped with tiny devices that we keep very close to hand so as to monitor all unfolding stories in close to real time.

We’ve been granted a ringside seat on the second by second flow of history. As a result, we see a lot more. And at the same time, strangely, we see a lot less. The constant presence of news from without hampers our ability to pick up on an equally important, though far less prestigious source of news from within. We are not, by nature, well-equipped to see inside ourselves. Consciousness bobs like a small boat on a sea of disavowed emotions. A lot of feelings and ideas require a high degree of courage to confront. They threaten to make us uncomfortably anxious, excited or sad were we to learn more about them. So, we use the news without to silence the news from within. We have the most prestigious excuse ever invented not to spend too much time roaming freely inside our own minds.

It is not that the news from without is unimportant to someone (indeed, it will be the most important thing in certain people’s lives our continent away or in a company in the capital or somewhere in the upper reaches of government), it is just that this news is almost certainly wholly disconnected from our real priority over the coming years; which is to make the most of our life and our talents in the time that remains to us. It’s touching that we should give so much of our curiosity over to strangers, but it’s poignant that we are forced eventually to pay such a high price for this constant dispersal of energy.

We dismiss fragile tentative thoughts about what we should do next, who we should call, what we really need to do, thoughts upon which an adequate future for us depends –  for the sake of the more obvious drama of the moment. But the drama won’t save us, it cares not a jot about our development or our real responsibilities. It feels counter-intuitive to think that there might be certain things much more important than the news. But there is: our own lives – which we have, troublingly, been granted such prestigious reasons and means to avoid confronting.