Qual é o futuro do mercado de trabalho?

Qual a chave do sucesso no futuro do mercado de trabalho? Sofia Esteves, da Cia. de Talentos, tem uma resposta

São Paulo – O tema Futuro do Trabalho, constantemente vem sendo discutido. É fato que, empresas e profissionais, estão mudando suas condições de trabalho, pois o que era valorizado anteriormente agora não é mais. Para manter um talento nas companhias, é preciso investir não só em qualidade de vida, mas também em valores importantes para as pessoas. Além disso, é fundamental que não haja divergências entre o discurso da empresa e a prática e que se priorize a ética, sempre!

De um lado, as companhias precisam ter propósito e do outro, os profissionais precisam se adequar as novas mudanças. Estudo recente desenvolvido pela Cia de Talentos sobre o Futuro do Trabalho, mostra que as transformações e impactos da tecnologia, por exemplo, já estão gerando alterações na sociedade, empresas e pessoas/profissionais.

A grande questão é de que forma podemos nos preparar e manter nossa relevância diante do novo cenário, sem deixar de lado os objetivos, para assim decidirmos qual caminho deseja traçar. O estudo destaca que, em três pilares (sociedade, empresas e pessoas), devemos abraçar a mudança, entender o atual cenário do mercado de trabalho, ter foco no desenvolvimento de novas habilidades humanas, principalmente a inteligência emocional, e projetar o futuro. Sabemos que a tecnologia não irá destruir todas as profissões, mas sim mudar tarefas, criar novas possibilidades de trabalho, abrir portas, mas também fechar outras.

A chave para o sucesso no futuro será a adaptabilidade, a vontade de aprender novas coisas.  Todo mundo é capaz de fazer algo incrível se quiser. Numa época em que somos bombardeados por uma avalanche de informações vindas de diferentes direções a cada segundo, como conseguir focar e trabalhar de uma forma mais ágil e estratégica?

Neste mundo onde a única certeza que temos é que as mudanças serão cada vez mais rápidas, é essencial que a sociedade se abra, crie e principalmente aceite as novas dinâmicas de trabalho e fomente o desenvolvimento de outras habilidades tão necessárias para a evolução das organizações e dos profissionais.

Já as empresas precisam descobrir e desenhar processos mais inovadores, oferecer um trabalho mais significativo, quebrar os paradigmas existentes, trazendo mais diversidade (tanto de gênero, raça, orientação sexual, região e etária, por exemplo) e construir uma boa reputação tanto interna como externamente.

E nós profissionais? Para seguirmos e mantermos a empregabilidade, devemos refletir e ampliar nossas opções de carreira, coerentes com os objetivos de vida e principalmente buscar, das mais diferentes formas, o desenvolvimento das novas competências e habilidades que serão exigidas em um futuro próximo. Felizmente, nos dias de hoje, podemos ter mais de uma carreira durante a vida e para isso ser high tech e high touch não será mais uma opção e sim uma obrigação. Esse é um caminho sem volta!