Qual é a diferença entre “hard” e “hardly” em inglês?

Rosangela Souza, sócia-diretora da Companhia de Idiomas, esclarece uma dúvida comum: os diferentes usos de "hard" e "hardly" na língua inglesa

* Respondido por Rosangela Souza, fundadora e sócia-diretora da Companhia de Idiomas e da ProfCerto

Em inglês, muitos advérbios são formados acrescentando-se o “-ly” ao adjetivo. Careful (cuidadoso, um adjetivo) , por exemplo, vira carefully (cuidadosamente, um advérbio).

Mas o caso de “hard” é diferente, porque pode ser tanto um adjetivo como um advérbio. Veja os exemplos:

My job is very hard sometimes. (adjetivo)
You´ve had a hard day. (adjetivo)
My daughter will have to study very hard if she wants to be a lawyer. (advérbio)

É por esse motivo que a frase: “They work hardly” está errada. O correto seria “They work hard”.

E quando usamos o “hardly” ?

Hardly” também é um advérbio, mas significa “quase não” . Veja os exemplos:

She hardly speaks when she comes here. (ela quase não fala)
I´ve hardly slept at all for the last few days. (eu quase não dormi)
Unfortunately my brother hardly studies. (quase não estuda)

Note que o sentido é negativo, mas a estrutura não é de oração negativa. Você não deve dizer: “I don´t have hardly any time”. O correto é “I hardly have any time.”

Hardly ever já tem um sentido um pouco diferente, pois significa “quase nunca” ou “raramente”.

We love each other but I hardly ever hear from him nowadays.
I hardly ever cook.

E o “can hardly”?

Significa que algo é muito difícil de fazer. Muito comum antes de verbos como : believe, move, see, feel, hear, walk, understand e outros.

Veja alguns exemplos de frases:

I can hardly hear you. It is so noisy here. (eu quase não consigo ouvir)
I can hardly wait for the trip. (mal posso esperar)
I could hardly keep my eyes open. (quase não consegui ficar com os olhos abertos)
I could hardly believe. (quase não acreditei)

A dica é tentar identificar estas diferenças sutis todas as vezes que você ler ou ouvir inglês, para poder usar corretamente quando for a sua vez de falar ou escrever.

 
Rosangela Souza é fundadora e sócia-diretora da Companhia de Idiomas e da ProfCerto. Também é professora de Gestão de Pessoas e Estratégia no curso de Pós-Graduação ADM da Fundação Getulio Vargas.