Professor de português ensina segredo para falar e escrever bem

Além das regras gramaticais e do "português correto", o professor Diogo Arrais ensina as práticas para uma comunicação melhor e mais inspiradora

Quem fala e escreve bem sempre chega além. Como ser um profissional assim?

Falar bem não exige apenas o conhecimento do “pronome facultativo antes do verbo” ou do “invariável impessoal haver”: é dedicar-se diariamente à questão da elegância ao representar um pensamento. Líderes (e não meros chefes) atêm-se a ouvir, a pronunciar uma expressão fática como “Está mesmo tudo bem?”, a sorrir gentil, a entender; emocionar-se.

Um bom falante é, antes, um ser humano, respeitável na conjugação do “sentir”. Às vezes sem ter os mais desejados títulos acadêmicos, mas dedicado a ler a alma alheia antes de expandir – pela boca – o vocábulo bem-educado. É um conhecedor da frase: “Com uma palavra, posso construir ou destruir. A escolha sai de mim.”

Escrever bem é dedicar-se todos os dias. É ver o papel, a caneta, a tinta como propagadores do que mais queremos nesta vida: transformar nossos leitores; causar o riso; demonstrar quão apaixonados somos por um projeto ou uma tese; é vender algo com a sutileza de quem organiza sujeito e predicado.

Diferentemente de algumas teses libertárias do quesito gramatical (a norma em si), o bom escritor não quer apenas o amontoado de sílabas. É como o compositor que valoriza a importância da partitura musical (mesmo não tendo tal habilidade). É como a bailarina que – apesar de não ter chegado ao Bolshoi – respeita a Dança e suas vertentes.

Quem fala e escreve bem lê. Lê gente e alimenta a mente com Literatura (a Arte em si). Um dedicado à mensagem aprende a força do aplauso: valoriza Clarice, Machado, Eça, Rachel; vê no Escritor uma fonte inesgotável de lições e semânticas. Consegue achar-se ainda muito pequeno e privilegiado, quando se arrepia ouvindo o nordestino repentista a brincar com sintagmas, situação, Política e nações.

A vida de quem fala e escreve bem é sempre emocionante, porque não basta pronunciar ou redigir: o bastante é aprender.

Um dedicado ao vernáculo tem por intenção amar e ser amado, sendo o mais claro e respeitoso possível.

Um grande abraço, até a próxima e inscreva-se no meu canal!

DIOGO ARRAIS
http://www.ARRAISCURSOS.com.br
YouTube: MesmaLíngua
Autor Gramatical pela Editora Saraiva
Professor de Língua Portuguesa