Professor de português analisa trecho preconceituoso de edital da prova PM

Edital para concurso público da Polícia Militar paranaense exige "masculinidade" dos candidatos. Confira a análise do professor Diogo Arrais

O edital para concurso público da Polícia Militar paranaense deu muito o que falar, nos últimos dias, por exigir “masculinidade” dos futuros agentes. Além da incoerência diante do léxico, uma escancarada contradição no documento.

No anexo 2 do edital, no exposto C30, pede-se “extroversão”:

“Habilidade do indivíduo em descrever-se como expansivo, sociável, acessível, de facilidade de contato com desconhecidos e grupos.”

No exposto C31, aparece a bazófia (ação ou palavras, geralmente afetadas ou chamativas), sobre “masculinidade”:

Capacidade de o indivíduo em não se impressionar com cenas violentas, suportar vulgaridades, não emocionar-se facilmente, tampouco demonstrar interesse em histórias românticas e de amor.”

De um redator, produtor de um Edital, espera-se revisão textual; que as palavras, além de lógicas, possam respeitar os valores do Estado Democrático de Direito.

Assim que terminei a leitura dos dois citados itens, logo pensei: em que sentido foi usada a expressão “histórias românticas e de amor”?

Seria esse ponto ” histórias românticas e de amor de um alguém que demonstre interesse em amar literalmente, de um alguém com a vida sentimental saudável, afeito ao dom mais precioso da humanidade – o amor? Porque “Quem ama cuida”, “Quem ama educa”: frases proferidas por respeitados educadores da humanidade. Um policial não deve, no exercício de sua função, ser como um educador?

Teria, pois, a expressão o sentido da linguagem ou do estilo que se valem da metáfora, da metonímia, do hipotético, do simbólico, do alegórico? Teria a ver com a riqueza intelectual de o candidato abastecer-se de livros, filmes, contos, peças, obras, músicas, tendo como base temática o Amor?

Voltemos, pois, à contradição: o ser geralmente “expansivo, sociável, acessível, de facilidade de contato com desconhecidos e grupos” é – em princípio – um ser admirador das nobres consequências advindas de um amor vívido em gente, família, papel e lágrimas edificantes da própria Educação, Família e Sociedade.

A redação desse Edital da PM paranaense é – além de incoerente e contraditória –

Um grande abraço, até a próxima e inscreva-se no meu canal!

DIOGO ARRAIS
http://www.ARRAISCURSOS.com.br
YouTube: MesmaLíngua
Autor Gramatical pela Editora Saraiva
Professor de Língua Portuguesa