Executiva da Henkel e cidadã do mundo vai encarar expatriação pela 4ª vez

Expatriada de carteirinha, Valeria Gladsztein, diretora global de RH, está de malas prontas para atuar na sede corporativa da Henkel, na Alemanha

Há 12 anos, Valeria Gladsztein, de 43 anos, deixou seu país natal, a Argentina, para virar cidadã do mundo. Na época, a executiva de recursos humanos foi morar no México, onde se tornou business partner de RH da divisão de cuidados pessoais e com a casa da Henkel, multinacional alemã presente em mais de 75 países que atua nos ramos de beleza e adesivos — no Brasil, sua marca mais famosa é a cola Pritt.

A mudança até a Cidade do México foi a primeira na bagagem de Valeria, que depois passou pela Colômbia até chegar ao Brasil, quase seis anos atrás. Por aqui, ela se tornou diretora de recursos humanos e liderou os times brasileiro, argentino e chileno.

“Eu e minha família sempre estivemos muito abertos a movimentações internacionais e deixei isso claro para a empresa”, diz a executiva, que é casada e tem dois filhos. “Mas, para dar certo, isso tem de ser uma decisão de família, não apenas minha.”

Agora, os quatro estão de malas prontas novamente: em setembro, Valeria começa a trabalhar na sede da Henkel, em Düsseldorf. “O Brasil é um país de que eu gosto, meu coração fica apertado ao sair daqui. Mas eu queria ter uma experiência no corporativo”, afirma.

O desafio

A Henkel estimula os funcionários — de qualquer nível — a falar abertamente sobre a carreira com seus gestores. Foi assim que Valeria sinalizou sua ambição: ela gostaria de trabalhar em países desenvolvidos dentro da área corporativa para aprimorar competências diferentes das que conquistou atuando nos mercados locais da companhia.

“Para continuar crescendo, esse tipo de experiência é importante”, explica. Assim, ela recebeu um convite de Sylvie Nicol, número 1 de RH da Henkel. “Eles querem trazer diversidade para o corporativo e eu adoro trabalhar com times globais”, afirma.

A proposta é para que Valeria faça parte do time da VP global de gestão de pessoas e atue na área de atração e desenvolvimento. “As atividades são muito diferentes das que exerço atualmente, vou sair de minha zona de conforto e desenvolver as práticas de RH globais”, diz Valeria.

“Nas regiões, trabalhamos a execução de acordo com os objetivos globais, agora vou para a parte estratégica e terei acesso a regiões que não conheço tanto, como Ásia, África, Europa e Índia.” Nesse papel, ela vai auxiliar a companhia em sua transformação digital — que já está acontecendo.

No ano passado, a Henkel revisou processos e implantou novos sistemas de gestão, com ferramentas digitais para avaliação de desempenho e desenvolvimento de competências, por exemplo. “Queremos alavancar o uso dessas plataformas, pois hoje tudo muda muito rápido e, em seis meses, já surgem novas soluções e ideias”, afirma a executiva.

No dia a dia da organização, a língua oficial é o inglês. Mas Valeria, que, além de inglês e espanhol, fala português e italiano, vai se esforçar para aprender alemão. “O alemão é para a vida e para os relacionamentos com os colegas. Vou estudar, mas meus filhos vão pegar muito mais rápido do que eu”, diz.