Os 4 modos de agir no trabalho e como melhorá-los

Um teste com 30 000 pessoas mapeou os quatro comportamentos mais comuns entre os profissionais brasileiros. Descubra qual é o seu e como melhorar

Os brasileiros são conhecidos como um povo comunicativo. E esse clichê se repete no trabalho: 45% dos profissionais do país se encaixam em um perfil comportamental que tem facilidade para estabelecer vínculos e pouca objetividade para tratar de problemas.

Essa é a conclusão do psicólogo Fernando Seacero, da i9ação, consultoria de São Paulo, com base em treinamentos com mais de 30 000 profissionais. Com base na pesquisa, a empresa mapeou quatro perfis de comportamento.

A metodologia foi desenvolvida por meio de um estudo feito nos anos 70 na universidade americana Massachusetts Institute of Technology (MIT). “Conhecendo seu perfil e o dos outros, você se respeita e entende como tirar o melhor de cada relacionamento profissional”, afirma Fernando. Fazer esse exercício também ajuda a melhorar a produtividade e a solução de problemas.

Conheça as características e os pontos fracos dos diferentes perfis e saiba como se relacionar com cada um deles. 

OS CONECTADOS
 
A CARACTERÍSTICA: FALAR MUITO
Para essas pessoas, é praticamente impossível trabalhar em um ambiente sem contato com os outros e sem troca interpessoal de informações. Sentem necessidade de verbalizar seus sentimentos, processam melhor os dados por meio da conversa e ficam desmotivadas se alguém não presta atenção.
 
O PONTO FRACO: SER INCONVENIENTE
Nem sempre os colegas estão dispostos a parar de trabalhar para discutir um problema ou bater papo. Por isso, é importante desenvolver o hábito de pensar se aquele é mesmo o melhor momento para conversar. “A facilidade em expressar o sentimento exige certa censura prévia”, diz Luiz Carlos Cabrera, da Amrop Panelli Motta Cabrera, consultoria de recrutamento de São Paulo.
 
COMO LIDAR COM ESSE PERFIL: APROXIME-SE
Quando tiver de tratar de uma questão, prefira a conversa ao e-mail. Mostrar-se presente ajuda o conectado a entender o que deve ser feito. “Ser acessível faz o trabalho render”, diz Ana Pliopas, coach do Hudson Institute, de São Paulo.
 
A CARACTERÍSTICA: TER POUCA OBJETIVIDADE 
Profissionais que têm esse perfil costumam ficar mais preocupados com a maneira como as pessoas reagem a uma informação do que com a informação em si. 
 
O PONTO FRACO: LEVAR TUDO PARA O LADO PESSOAL 
Lembre-se de que nem tudo é a respeito de como as pessoas se sentem. Quando estiver preocupado em descobrir por que o colega não está gostando daquela discussão, pergunte-se qual é o objetivo comum e guie-se por isso. Também tome cuidado para não misturar demais trabalho com amizade e confundir os limites entre o que é pessoal e o que é profissional.
 
COMO LIDAR COM ESSE PERFIL: USE EXEMPLOS 
“Se você falar só de fatos, essa pessoa não vai escutá-lo”, diz Cabrera. Seja pessoal na comunicação e não tenha medo de dizer quais são suas opiniões e sentimentos a respeito daquilo para complementar os dados objetivos.
 
A CARACTERÍSTICA: SER MUITO SENSÍVEL 
Esse perfil, principalmente quando mais jovem, é sensível às variações do ambiente e costuma ter a energia drenada caso o clima esteja ruim. Por outro lado, tem muita facilidade para perceber as necessidades e as emoções dos outros.
 
O PONTO FRACO: TER MEDO DE DESAGRADAR 
Discussões e brigas são desagradáveis para quem tem esse perfil. Mesmo assim, é necessário estabelecer limites na hora de se  relacionar. Engolir sapos porque não quer desagradar pode ser frustrante — é possível discordar com gentileza. “Gerencie os conflitos em vez de evitá-los”, diz Fernando. 
 
COMO LIDAR COM ESSE PERFIL: ESCUTE MAIS 
Saiba ouvir o que essas pessoas têm a dizer e as coloque em posição de mediar possíveis diferenças no trabalho. O resultado pode ser uma equipe mais eficiente e satisfeita.
 
OS REALIZADORES
 
A CARACTERÍSTICA: AGIR RAPIDAMENTE 
São pessoas que preferem partir para a execução e pensar sobre as decisões só depois. Têm espírito empreendedor. 
 
O PONTO FRACO: DEIXAR OS OUTROS DE LADO 
“Esse perfil não respeita muito o ritmo alheio”, diz Fernando. Mas sem trabalho em equipe é impossível viabilizar projetos. A saída: controlar o ímpeto de resolver tudo rapidamente — ouvir o que os outros têm a dizer antes de colocar a mão na massa é um bom exercício. 
 
COMO LIDAR COM ESSE PERFIL: VÁ DIRETO À QUESTÃO 
O melhor é falar o mais importante primeiro e estar munido de vários dados e fatos para obrigar a pessoa a desacelerar, caso seja necessário.
 
OS DETALHISTAS 
 
A CARACTERÍSTICA : REFLETIR ANTES DE AGIR 
Gostam de ver como as coisas funcionam e detestam tirar conclusões apressadas. 
 
O PONTO FRACO: SER INDIVIDUALISTA 
Na hora de agir, as pessoas com esse perfil se esquecem dos envolvidos em um problema e pensam só nos dados concretos. Mas isso não é produtivo. Muitas vezes, as percepções das pessoas são cruciais para uma solução ou inovação. “Encare as opiniões alheias como outro dado a ser analisado”, diz Cabrera. 
 
COMO LIDAR COM ESSE PERFIL: ATENHA-SE AOS FATOS 
Use dados concretos, mas também ajude a pessoa a perceber que, às vezes, os sentimentos dos outros têm um peso importante nas escolhas. 
 
OS OBSERVADORES
 
A CARACTERÍSTICA: ANALISAR COM PROFUNDIDADE 
Também são tipos analíticos. Apesar de recolher detalhes objetivos, costumam levar em consideração os dados emocionais.
 
O PONTO FRACO: RETARDAR A ENTREGA 
Esse tipo tem um ritmo de produção mais lento, que costuma acelerar apenas perto do prazo. A necessidade de passar cada detalhe a limpo torna difícil mostrar para os outros que os resultados serão entregues. O conselho é informar colegas e chefes sobre o andamento do trabalho. 
 
COMO LIDAR COM ESSE PERFIL: TENHA PACIÊNCIA
Contextualize as informações ao conversar com quem é assim e respeite o ritmo. “As organizações pressionam para agir mais rapidamente, e não dá certo”, diz Cabrera. “Tendo liberdade, essa pessoa faz um trabalho muito bom em evitar erros.”