O Twitter decola no Brasil e recruta por aqui

Um ano após montar seu escritório brasileiro, a rede social abre as portas para profissionais brasileiros on e offline

São Paulo – O Twitter abriu seu escritório no Brasil há pouco mais de um ano. Hoje, está com 40 funcionários na filial, a maioria da área comercial (não existe desenvolvimento de soft­ware local). Há planos de expansão no país. O diretor-geral da plataforma, Guilherme Ribenboim, e a diretora de RH, Francine Graci, começam a dar detalhes das práticas de recrutamento do Twitter.

• O site do Twitter informa que há dez posições em aberto no Brasil, mas o número de vagas é maior. Em alguns casos, um anúncio corresponde a mais de uma vaga.

• Para ser contratado, um candidato passa por muitas entrevistas, não só com o chefe mas com pessoas de outras áreas com as quais vai interagir. O processo,­ porém, é muito transparente e sem testes ou perguntas inusitadas.

• Conhecimento dos mercados de publicidade e de comunicação é fundamental. Não é obrigatória experiên­cia digital. Profissionais do mercado offline interessados em fazer a transição são bem-vindos.

• Recém-contratados passam uma semana de imersão na sede da empresa, em São Francisco, nos Estados Unidos, onde são recebidos por Dick Costolo, o CEO mundial da empresa.