O que levar em conta ao escolher um programa de trainee

Especialistas indicam aspectos que são importantes na hora de decidir em quais programas de trainee você deve fazer a inscrição

São Paulo – Se bem aproveitado o programa de trainee pode ser o momento ideal para “catapultar” a carreira. “Mas, por outro lado, participar de um programa inadequado ao seu perfil é uma experiência negativa que não contribui em nada e ainda vai dificultar o aprendizado do jovem”, diz Ruy Bilton, sócio da Atingire.

Por isso, sair se candidatando a trainee em inúmeros programas, sem critério de escolha, não é a melhor saída para os jovens profissionais, embora seja uma prática recorrente. 

“Já vi caso de uma pessoa inscrita em processo seletivo para trainee em empresa de construção civil e de varejo, sendo que não tinha perfil para nenhum dos dois”, diz Caroline Cobiak, da Across.

De acordo com ela, é comum ver jovens inscritos em 20, 30 programas ao mesmo tempo. “Como não há critério de escolha, durante a seleção eles descobrem que não é o que queria. Muitas vezes abandonam a dinâmica de grupo no meio do processo”, conta Caroline.

Mas o que levar em conta na hora de fazer a escolha entre tantos programas disponíveis? É o que EXAME.com foi perguntar a dois especialistas. Confira os aspectos que eles consideram importantes na hora de fazer a avaliação dos programas de trainee:

1 Relevância do programa

Qual a importância do programa de trainee dentro da empresa? “É entender se a empresa leva a sério o seu programa”, explica Bilton. Quantos trainees foram efetivados historicamente e nas últimas edições? 

“Às vezes o programa pode perder relevância com o passar do tempo”, destaca o sócio da Atingire. “Há empresas que ainda estão tentando descobrir como desenvolver melhor o trainee”, lembra Caroline.

Como os trainees são tratados pela empresa? Há ex-trainees ocupando cargos de importância dentro da organização? “É importante descobrir se há espaço para crescer e colocar o aprendizado em prática, depois do programa”, diz Bilton.

As respostas para estas perguntas exigem pesquisa por parte dos jovens. “Nada que uma boa busca não resolva”, diz Bilton. Procure reportagens, artigos sobre o programa de trainee da empresa ou converse com ex-trainees para descobrir o real valor do programa dentro da empresa. 

“Mas o jovem deve ter em mente que durante e após o término do programa a carreira é responsabilidade dele”, ressalta Caroline.

2 Oportunidades de aprendizado

O objetivo principal do programa de trainee é desenvolver o jovem e prepará-lo para assumir funções de maior destaque dentro da organização. 

É uma etapa de aprendizado e de investimento da empresa no profissional. “O programa de trainee não é um emprego, a proposta é que o jovem continue se desenvolvendo”, lembra Bilton. 

Segundo os especialistas, é interessante verificar quais os desafios que serão propostos, ou seja, qual o aprendizado informal que será oferecido.

Além disso, também devem ser verificados os treinamentos que são parte do programa. “Estes estão relacionados ao aprendizado formal que jovem terá”, explica Bilton.


“É entender qual o desenvolvimento do programa, se há job rotation, oportunidade de trabalho no exterior, se os projetos propostos são estratégicos para a empresa”, diz Caroline.

A empresa oferece suporte ao desenvolvimento dos trainees? Processos de coaching, mentoria e compartilhamento de experiências de carreira são alguns dos itens que também devem ser considerados. 

3 Valores da empresa

“A questão de se adequar aos valores da empresa tem sido cada vez mais importante”, diz Bilton. Missão, as ideias propagadas pela empresa, o seu propósito e o produto que ela oferece no mercado devem ser analisados.

“O jovem deve começar a trabalhar em um lugar que faça sentido para ele, assim vai se esforçar mais e ter um desempenho melhor”, diz Bilton.

Imagine passar por todo o processo de seleção, muitas vezes concorridíssimo para descobrir em pouco tempo depois que os valores da empresa não batem com os seus? “A questão da cultura da empresa é muito importante, não é porque a pessoa gosta da marca que vai gostar de trabalhar na empresa, por exemplo”, diz Caroline.

4 O seu perfil profissional

Este item está relacionado mais à questão individual e o que a empresa espera de você em termos de atitude. “O jovem devem ponderar se tem o perfil para trabalhar naquela empresa e lidar com as pessoas do jeito que se espera dele”, diz Bilton.

Há empresas que são mais agressivas, outras adotam uma maneira mais paternalista, mais afável no trato entre colaboradores. Confira se o seu perfil profissional se encaixa ao estilo de trabalho dentro da empresa. 

“O jovem deve levar em conta se o seu ritmo de objetivo de carreira está alinhado ao ritmo de evolução na organização”, diz Caroline. Não adianta você querer ser diretor em 3 anos se a empresa historicamente não oferece esta oportunidade tão rapidamente aos seus colaboradores.

“É algo que não é fácil de descobrir durante o processo seletivo, mas é possível inferir a partir da leitura de diversas matérias e reportagens sobre a empresa”, diz Bilton.