O estágio na Eli Lilly é quase uma formação em habilidades comportamentais

Saiba mais sobre como é a rotina dos estagiários de uma das 45 Melhores Empresas para Começar a Carreira

Este texto faz parte do anuário VOCÊ S/A – As Melhores Empresas para Começar a Carreira 2018, publicado em dezembro de 2018 (ed. 247), com informações levantadas entre os meses de junho e setembro do ano passado. 

São Paulo – A cada três meses, os estagiários da farmacêutica Eli Lilly, sediada em São Paulo, reúnem-se para aprender mais sobre algum tema relativo ao desenvolvimento da carreira.

Entre as questões debatidas estão gestão do tempo, conciliação do trabalho com os estudos e como manter conversas difíceis com o líder, desde a possibilidade de efetivação até a importância de não levar as críticas para o lado pessoal.

O grupo decide em conjunto quais serão os tópicos abordados e convida um funcionário da empresa para falar sobre o assunto. A organização dos eventos conta com a participação de estagiários que se voluntariam para cuidar de detalhes do processo.

Muito elogiadas, essas iniciativas permitem que os participantes desenvolvam competências de trabalho em equipe, liderança e gestão de carreira. A cultura de feedback e a visibilidade com a alta liderança da empresa são outros pontos destacados pelos profissionais em início de carreira na Eli Lilly.

“Converso com meu chefe quase todos os meses sobre performance ou alguma habilidade técnica ou comportamental que preciso aprimorar”, diz um jovem. Outro novato fala da proximidade com os líderes. “Já apresentei um projeto para o diretor financeiro”, afirma. lilly.com.br


PONTOS POSITIVOS

Em 2017, a empresa criou o Comitê de Diversidade e Inclusão, grupo composto de representantes voluntários de várias áreas que se reúnem para discutir temas como a ascensão de mulheres a cargos de alta liderança.


PONTOS A MELHORAR

O plano de carreira poderia ser mais transparente, já que alguns gestores adotam critérios subjetivos para promover profissionais, e nem todos recebem retorno quando não avançam no recrutamento interno.