Depois de seis anos, empresas do Vale do Silício voltam a contratar

Companhiasamericanas voltam a investir em novos equipamentos e software e novas vagas são esperadas para este ano

Os bons ventos voltaram a soprar no Vale do Silício, região que reúne a maior concentração de empresas de tecnologia dos Estados Unidos. Não apenas ali, mas em todo o país, o setor voltou a contratar profissionais. De acordo com consultoria Moodys Economy, no ano passado foram criadas 125 000 vagas.

Foram seis anos de cortes, que começaram com o estouro da bolha da internet. Em 2002, no auge da crise, as empresas de tecnologia demitiram 545 000 pessoas. O ritmo de contratações não é o mesmo dos tempos áureos dos anos 90, mas ainda assim é um alívio aos graduados nessa área. A expectativa da Moodys é que, neste ano, outros 217 000 postos de trabalho sejam abertos.

A projeção para os próximos cinco anos também é positiva. Ainda que de forma gradual, cerca de 782 000 vagas devem ser criadas, o que representa 8,6% de todos os novos postos de trabalho previstos para o país nesse período, que é de 9,1 milhões, diz a reportagem do site BusinessWeek online.

Por trás dessa recuperação está o fato de que as empresas vinham investindo muito pouco em aquisição de novas máquinas e softwares. Com os ataques terroristas e a guerra no Iraque, os executivos preferiram agir com cautela e diminuir os gastos. Agora que o susto maior já passou, os investimentos voltaram e com eles, as novas vagas em tecnologia da informação.

Entre as empresas que prometem novas contratações neste ano estão Microsoft, Google, Accenture e AMD. Já os profissionais mais procurados são engenheiros de software, consultores e cientistas da computação todos, claro, com alto nível de conhecimento na área.