Meg Whitman, da HP, deixa clube dos que têm salário de US$ 1

Remuneração fixa da presidente da HP saltou para US$ 1,5 milhão. No ano passado, ela teve um pacote de US$ 13,5 milhões, apesar do salário base de US$ 1

São Paulo – Meg Whitman, que preside a HP desde 2011, tem “robustas” perspectivas para a própria carreira (e conta bancária) no ano que vem. De acordo com comunicado divulgado pela empresa esta semana, a executiva terá um salário fixo anual de 1,5 milhão de dólares no próximo ano fiscal. A decisão já vale desde o último dia 1º de novembro.

Até agora, o pacote de remuneração pago para Megan previa um salário base de 1 dólar por ano, prática comum entre os líderes de grandes empresas no Vale do Silício, como Mark Zuckerberg, do Facebook, e Larry Ellison,  da Oracle.

Mesmo assim, em 2012, a executiva embolsou 15,3 milhões de dólares. Boa parte da remuneração veio sob a forma de ações e opções de bolsas no valor de mais de 13 milhões de dólares.

Ela também ganhou um bônus de 1,7 milhões dólares em bônus atrelado a resultados, com base em métricas de desempenho, fluxo de caixa e metas alcançadas. Nas contas da HP, há ainda outros 220.000 dólares descritos como gastos com o uso de aeronaves e outros benefícios usufruídos por Whitman.

Formada pela Universidade de Princeton e pela Escola de Negócios de Harvard, Megan começou sua carreira na Procter and Gamble em 1979.

Em 1998, assumiu a presidência do eBay. Durante os dez anos da gestão de Meg, o site de comércio online tornou-se um dos principais dos primórdios da internet.

Quando ela deixou a companhia, em 2008, o eBay contabilizava 15 mil funcionários e 248 milhões de usuários ao redor do mundo. No entanto, nem tudo são flores. Nos últimos anos da era Whitman, o eBay foi perdendo sistematicamente seu valor de mercado.

Em 2010, a executiva concorreu ao governo do estado da Califórnia pelo partido republicano. Mas perdeu para o democrata Jerry Brown. 

Ela assumiu o comando da HP em setembro de 2011 com a missão de reerguer uma das maiores empresas de tecnologia do mundo. Sob a batuta do seu antecessor, as ações da companhia caíram 40%. Em 2013, os papeis da empresa tiveram uma alta de 93%.