Inteligência de mercado quer formado em humanas que “ame” números

São Paulo – Combinar informações do mercado, da mídia com outras pesquisas e transformá-las em estratégias é, de forma geral, a função de um profissional na área de inteligência de mercado para empresas. “Há muita demanda porque hoje os clientes estão percebendo a importância desta área”, afirma Isabella Portella, gerente de inteligência de mercado da Sophia Mind.

Para Sérgio Santos, professor e coordenador da área de marketing da pós-graduação da ESPM, o setor tem uma demanda crescente porque não há profissionais qualificados suficientes no mercado.

Ele explica que profissionais da área de humanas como sociólogos, antropólogos podem seguir carreira nesta área desde que tenham especializações na área de exatas, em estatística, por exemplo.

“Também tem que ser uma pessoa focada e bem informada, entender do mercado, do cliente e estar conectado a redes sociais”, afirma Isabella. Segundo ela, os três principais cursos para atuar na área são estatística, administração e economia. Mas ela já trabalhou com uma publicitária com pós-graduação em pesquisa de mercado.

Santos afirma que, para fazer carreira no setor, é indispensável ter visão analítica e habilidade com números. Além de poder atuar em grandes empresas há oportunidades em consultorias especializadas, e os salários dependem do porte da empresa e da experiência que ele teve.