Faça terapia

O conselho é de Marília Rocca. Ops! Você acha que terapia deve ser procurada somente para “resolver problemas”? Não é nada disso. Estamos falando da terapia que vai ajudar você a se conhecer melhor. É hora de iniciar a fantástica aventura em busca daquilo que o move para a frente, que o torna forte ou fraco. “Vá fundo na busca da sua espiritualidade, das suas raízes, dos seus valores e princípios”, diz Rugenia. Haverá sofrimento, sim, mas valerá a pena. “É preciso desmitificar essa história de que fazer terapia é careta e não pega bem, que é ligada a problema”, diz Monforte. “Na era do conhecimento, o mais importante é o autoconhecimento.”

O medo de mudar, de fracassar, de se aventurar vem dominando uma geração. “As pessoas não estão preparadas para inventar o que elas querem por medo”, diz Marília. “Tenho amigos com MBA que não sabem o que querem da vida.” Com a terapia, concorda Vicky, é possível identificar com clareza a origem do medo, o que de fato o incomoda numa situação de risco. Por exemplo: se você não pode perder o emprego porque é arrimo de família, seu problema é financeiro. O que fazer? Criar um projeto que o deixe independente desse medo. Outra situação: você tem medo de empreender porque não tem conhecimento suficiente em marketing. Estude o assunto. O importante é saber onde estão seus medos – e para isso a terapia pode ser uma mão na roda. Mas não só ela. “Essa reflexão pode ser feita com um terapeuta, um padre ou um mentor”, diz Vicky. “Se eu pudesse recomendar alguma coisa, eu diria: gastem dinheiro se conhecendo.”