Ela foi de trainee a diretora da Lojas Americanas – e você pode também

Programa aceita universitários e recém-formados de qualquer curso e tem inscrições abertas até o dia 30 de junho

São Paulo – Na Lojas Americanas, 41% da composição da diretoria atual veio do programa de trainee.

Em entrevista para EXAME, Milena de Andrade, diretora de Gente & Gestão, fala que o trainee é a principal porta de entrada na empresa e que eles buscam pessoas com o potencial de assumir posições de destaque no futuro.

Ela mesma entrou pelo programa em 2008, quando estava perto da graduação no curso de Engenharia de Produção. E essa é uma oportunidade para quem vai começar a carreira agora: as inscrições para o programa deste ano estão abertas até o dia 30 de junho pelo site.

Segundo a diretora, das lições da época de trainee, as mais valiosas foram a necessidade de aprender o tempo todo e não ter medo de fazer o que não sabe.

“Muito rapidamente fui inserida na dinâmica da companhia. Conheci diferentes modelos de loja, fui no centro de distribuição e até acompanhei entregas na casa de clientes. E logo no início fiquei muito exposta a liderança da empresa, esse contato com os executivos me estimulou a ser um deles”, conta ela.

Buscando os melhores talentos, a Lojas Americanas aceita candidatos de todo o país e de qualquer curso, com graduação completa entre julho de 2017 e julho de 2019. Os selecionados vão começar ainda neste ano na sede da empresa no Rio de Janeiro.

O diferencial de Milena quando começou, e que ela conta que apenas cresceu durante sua trajetória, era sua vontade de encarar novos desafios e sua paixão pela cultura da Lojas Americanas.

“Quando eu conheci a história de sucesso da empresa, percebi que poderia realizar meus sonhos de carreira ali. Tive chance de montar uma área nova logo após o programa, o que estimulou minha vontade de empreender, e pude liderar esse time. Depois, me desenvolvi na área de gente, que não tinha contato antes, e fiz minha carreira nessa área. Aqui, a área de formação não limita sua área de atuação”, diz ela.

Para ela, o perfil dos jovens que ingressam atualmente na companhia não mudou. Eles não abrem mão de pessoas que se identifiquem com o propósito e valores da empresa, que querem ser protagonistas de suas carreiras, que pensem grande sobre seu futuro e que procurem fazer coisas a todo o momento.

Parte do seu orgulho na Lojas Americanas é a alta representatividade de mulheres em cargos de liderança, de 63%. Na turma de trainees que começaram em janeiro, 70% são mulheres. Segunda a diretora, elas estarão expostas a exemplos de liderança feminina, algo que será integral no cotidiano.

“A diversidade é tratada com naturalidade dentro da empresa. Temos mais de 25 mil associados no Brasil inteiro. É uma felicidade ter liderança feminina e todo o tipo de diversidade. E somos muito rigorosos com atitudes discriminatórias que prejudiquem a diversidade”, fala ela.

Após as inscrições, os candidatos farão provas de raciocínio lógico, teste de perfil e vídeo entrevista, além de painel com gestores e executivos da companhia. Em 12 meses, os trainees vão passar por diversas áreas para entender o ecossistema do negócio.