É melhor fazer o GMAT ou o GRE para entrar em um MBA?

Pesquisa mostra que cada vez mais escolas de MBA nos Estados Unidos aceitam a nota no GRE como alternativa ao GMAT durante o processo de admissão de candidatos

São Paulo – Tradicionalmente, quem está preparando a candidatura para um MBA nos Estados Unidos, ou em grande parte das escolas de negócios da Europa, tem como um dos primeiros passos fazer o GMAT (Graduate Management Admission Test).

Apesar de ainda ser a porta de entrada principal para as melhores escolas de MBA, a nota no GMAT não é a única alternativa aceita pelas escolas já há algum tempo.

Outro teste, o GRE (Graduate Records Examinations) – indicado e exigido pra quem vai tentar mestrado profissional em outras áreas como finanças ou economia, por exemplo – começa a ganhar mais espaço e aceitação entre as escolas de MBA. Stanford e Yale são algumas das centenas de instituições que aceitam o GRE de candidatos a MBA. A lista completa está no site da ETS, responsável pela prova. 

Uma pesquisa recente feita pela rede preparatória Kaplan Test Prep e publicada no site Poets and Quants mostra que 85% das 204 escolas consultadas nos Estados Unidos permitem que candidatos escolham submeter a nota no GMAT ou no GRE durante o processo de admissão.E 78% delas consideram que o GRE e o GMAT estão em pé de igualdade na hora de avaliar um candidato a MBA.

No entanto, para 18% das escolas, candidatos que submetem a nota do GMAT no processo de avaliação para MBA saem na frente. Este grupo de escolas considera que o GMAT avalia melhor, sobretudo as competências na área de exatas.

Por isso, a conclusão da equipe da Kaplan Test Prep é que o GMAT ainda é o mais indicado, exatamente pelo caráter universal entre as escolas de MBA.

Isso porque, em termos de avaliação propriamente dita, a diferença não é grande entre os dois exames.Tanto o GMAT quanto GRE medem raciocínio lógico, verbal e capacidade de articulação de informações. Veja como funcionam:

1- GMAT

Com três horas e meia de duração, o exame é computadorizado e é dividido em 4 partes de avaliação: habilidades matemáticas, de análise de dados, verbais e de leitura e escrita analítica. Conhecimentos específicos de negócios não caem na prova.

O nível de dificuldade do exame depende de como o candidato se sai nas questões durante a prova. Quem acerta as questões logo de cara vai encarar perguntas mais difíceis e vice-versa. A pontuação máxima é de 800 pontos e a validade é de 5 anos.

O teste custa 250 dólares e deve ser feito em centros habilitados. No site oficial do GMAT é possível ver datas e locais.

2- GRE

É possível optar pelo exame em papel ou computador e o tempo varia entre três horas e meia e três horas e quarenta e cinco minutos dependendo da versão escolhida.

O teste é dividido em três partes: escrita analítica (com duas redações), raciocínio verbal e raciocínio quantitativo. No GRE o nível de dificuldade também vai sendo adaptado ao perfil do candidato, como no GMAT.

A pontuação máxima é de 170 em cada uma das seções, exceto na parte de escrita analítica,  em que a nota máxima é de 6 pontos. O custo é de 255 dólares e a validade é também é de 5 anos. No site da ETS há mais informações sobre a prova.