Dicas para você nunca mais errar ao usar a crase

Professor explica de um jeito simples um jeito para não errar mais ao usar o acento grave

* Escrito por Diogo Arrais, professor de Língua Portuguesa e autor gramatical

Em todo curso de língua portuguesa que ministro, aparece uma alma que odeia o acento grave.

A fim de facilitar a compreensão, exponho que esse famoso acento tem a validade por duas palavras (mais especificamente PARA A).

Vejamos a manchete abaixo:

“Cachoeira presta depoimento à Polícia Federal”

Há, claramente, a possibilidade de substituição de “À” por “PARA A”, justificando a presença do acento. No entanto, vejamos outro caso:

“Cachoeira presta depoimento a delegados”

Há, nessa última sentença, a impossibilidade de troca por “PARA A”, justificando a ausência do grave.

Passado o trauma dos que odeiam, vale também comentar que existem casos específicos, como os de MODA. Em outras palavras, as mensagens que apresentam ideia de “estilo”, “moda”, “cultura” são sinalizadas com o “À” (por caracterizarem um fenômeno de nossa gramática).


Como ilustração, gosto de citar a história da expressão futebolística SAÍDA À BANGU:

Nas peladas, o jogo não precisa ser reiniciado no centro de campo, sempre que um gol é assinalado. A saída pode ser dada de qualquer lugar. Isso é conhecido como “saída à bangu”. O livro Bangu (Editora Relume Dumará), do jornalista Roberto Assaf, conta a origem da expressão: “O pesquisador Alberto da Cruz Wenceslau defende a tese de que o termo [Bangu] é africano, e que significa ‘uma espécie de padiola, construída de couro ou trançado de fibras amarrado a dois varais, conduzido por dois homens’. Era usada pelos escravos para transportar bagaço de cana-de-açúcar e tijolos. ‘Deste processo meio desordenado de transporte pode até ter surgido a expressão à Bangu, utilizada hoje para denotar um ato improvisado’, explica Wenceslau”.

Para confirmar a regra, ali está o acento grave na expressão, indicando o estilo, jeito, cultura, moda.

Um grande abraço, até a próxima e siga-me pelo Twitter,

Diogo Arrais
@diogoarrais
Professor de Língua Portuguesa
Autor Gramatical pela Editora Saraiva