Crie seu próprio gabarito

Não existe uma fórmula para orientar o trabalho em equipe

CARO SIMON: qual das opções abaixo você considera a mais importante para as boas relações interpessoais em uma equipe?

a) Evitar as emoções?

b) Saber se defender das críticas?

c) Compreender a razão do outro?

d) Consultar a própria razão?

e) Colocar-se no lugar do outro?

(Marcelo Antonio Ferreira, São Paulo, SP)

Caro Marcelo: é interessante sua tentativa de transformar uma dúvida profissional num teste de múltipla escolha. Mas preciso dizer que se trata de um equívoco comum e muito disseminado nos dias de hoje. Os profissionais vivem tão angustiados em busca do acerto que caem na tentação de simplificar as questões e querer achar uma fórmula infalível para o sucesso. Para nossa sorte — alguns diriam que é para o nosso azar –, a vida não é como um teste de vestibular. Não existe múltipla escolha, mas um abecedário de questões que dificilmente podem ser reduzidas a um teste. Dito isso, vamos pensar sobre o problema que você apresenta e fazer um “gabarito” para nos comunicar melhor.

Alternativa a: é importante evitar as emoções? Sim e não. Se você agir de forma extremamente emocional, perder a paciência com freqüência, misturar relações profissionais com pessoais, vai dificultar o trabalho da equipe. Se ficar fechado o tempo todo e nunca apelar para a intuição, o trabalho também será prejudicado.

Alternativa b: saber se defender das críticas? Depende da crítica. Se for pertinente, é preciso ouvir e levar em conta. Uma postura defensiva leva ao conflito e impede o bom desempenho da equipe. Mas, se for uma crítica pouco pertinente, motivada por disputas de poder ou por antipatias pessoais, é preciso se defender, com calma e argumentos.

Alternativa c: é indispensável compreender a razão do outro para poder concordar, discordar, debater. Acontece que, muitas vezes, a razão do outro é incompreensível. Mas isso faz parte do ser humano. Precisamos aprender a agir mesmo quando não compreendemos muito bem.

Alternativa e: colocar-se no lugar do outro é como tentar compreender a razão dele. A observação a ser feita aqui é: colocar-se no lugar do outro faz parte do processo de entendimento. Mas suas decisões devem ser tomadas do seu lugar, com a avaliação dos prós e dos contras.

E, finalmente, a alternativa d, que deixei em último lugar: consultar a minha razão? Isso é indispensável não só no trabalho em equipe como em qualquer situação. Usar a própria cabeça, expor suas opiniões, pensar por conta própria são atitudes indispensáveis para se tornar um profissional de ponta. No trabalho em equipe, é isso que permite ganhar respeito e credibilidade. Para que o uso da razão não seja insensível e frio, aceite críticas, não fique surdo às razões alheias, não atropele o outro nem se torne arrogante. A verdade dessa alternativa depende, ao mesmo tempo, da verdade e da falsidade de todas as outras.

Tudo isso não é nada mais nada menos do que agir como um verdadeiro ser humano. As características importantes para um bom trabalho em equipe são exatamente aquelas que nos tornam pessoas melhores: tolerância, espírito de cooperação, responsabilidade, compreensão e capacidade de ouvir e de se expressar. Não há um fosso a separar a vida profissional da vida não profissional.