Confira o erro mais grave de uso da vírgula e veja outros comuns

Que erro de vírgula deixa os professores de português de cabelo em pé? Confira

O uso da vírgula em nossa Língua Portuguesa está diretamente ligada a questões sintáticas, referentes à organização da frase, da oração. Como afirma o  estudioso Celso Pedro Luft: “Não vale consultar o ouvido: ouvido não entende de pontuação.” A princípio, lembremo-nos de que – na relação Sujeito-Verbo-Complemento – não deve haver vírgula isolada. Vejamos:

“A imprensa solicitou, cópias da gravação.”
(vírgula inadequada entre verbo e complemento)

“A imprensa, solicitou cópias da gravação.”
(vírgula inadequada entre sujeito e verbo)

VÍRGULA E APOSTO

Vejamos agora estas duas sentenças:

a) O escritor brasileiro Machado de Assis nasceu em 1839.
b) O criador de Capitu, Machado de Assis, nasceu em 1839.

Por que as vírgulas apenas em “b“? Porque a informação entre esses sinais de pontuação é de ordem explicativa, a mais, uma informação adicional, intitulada gramaticalmente como aposto explicativo.

Pensemos assim também: em “b”, a expressão Machado de Assis poderia ser retirada sem que houvesse alteração de sentido. Sintaticamente, as vírgulas expõem essa informação (já que o criador da personagem Capitu é apenas Machado).

Em “a“, a supressão de “Machado de Assis” causaria mudança brusca no enunciado, uma vez que o nome do escritor é responsável pela restrição, especificação do sujeito. Expressões assim – especificativas – recebem a nomenclatura de aposto especificativo; não são sinalizadas por vírgulas.

VÍRGULA E VOCATIVO

Vocativo, função sintática responsável pelo chamamento, convoca o virgular na estrutura escrita. Repare estes exemplos:

a) Não é minha esposa?
b) Não é, minha esposa?

Consegue entender a diferença entre eles, caro leitor? Em “a”, há uma indagação sobre ser ou não ser a esposa de alguém; em “b”, a “esposa” é chamada, invocada.

É isto: a vírgula (ou vírgulas) deve separar o vocativo, o chamamento:

“Pai, afasta de mim este cálice!”
“Afasta de mim, pai, este cálice!”
“Afasta de mim este cálice, pai!”

Um abraço, até a próxima e siga-me pelo Twitter!
Diogo Arrais
@diogoarrais
Professor de Língua Portuguesa – CPJUR – portalcpjur.com.br
Autor Gramatical pela Editora Saraiva

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s