Como usar o prefixo “co” do jeito certo na nova ortografia

Professor Diogo Arrais, do Damásio Educacional, explica como usar o prefixo "co" do jeito certo após a Reforma Ortográfica

Ainda ouço, pelas salas de aula deste país, gente indignada com a Reforma Ortográfica. No entanto, é bom nós nos acostumarmos com diversas alterações gráficas que estão a vir obrigatoriamente. Afirma assim um parágrafo do decreto 6583/08:

“A implementação do Acordo obedecerá ao período de transição de 1o de janeiro de 2009 a 31 de dezembro de 2015, durante o qual coexistirão a norma ortográfica atualmente em vigor e a nova norma estabelecida. (Redação dada pelo Decreto nº 7.875, de 2012)”

Em outras palavras, até dezembro deste ano, o redator pode usar a “velha” ou a “nova” ortografia. Não se deve em um texto, pois, misturar antiga e atual ortografia – uma ou outra.

Um exemplo dessa embaraçosa situação está em diversas redações corporativa ou jurídica, nas quais há a retirada do acento gráfico em “voo”, “ideia”, “assembleia”, “estreia”, mas a antiga manutenção do hífen em formas como “co-fundador”, “co-autor”, “co-herdeiro”.

Sabe-se, pois, que, com o Novo Acordo Ortográfico, o prefixo “CO” aglutina-se com o segundo elemento, mesmo quando iniciado por “o” ou “h”: coobrigação, coocupante, cooperar, coordenar, coerdeiro, coautor, cosseno, cotangente, coabitar, coabitante etc. Em outras palavras, com o prefixo “co”, deve haver a união ao segundo elemento.

Portanto, se o redator opta pela nova grafia, a nova grafia deve ser utilizada; se opta pela grafia antiga, a grafia antiga deve ser utilizada. Nunca a fusão das duas.

Um grande abraço, até a próxima e siga-me pelo Twitter!

Diogo Arrais
@diogoarrais
Professor de Língua Portuguesa – Damásio Educacional
Autor Gramatical pela Editora Saraiva