Como fisgar o CEO da startup com um currículo

Trabalho voluntário, hobbies e uma pitada de criatividade devem entrar na estratégia para conseguir um emprego no promissor mercado de empresas nascentes do país

São Paulo – Para encarar a rotina alucinante de trabalho em uma startup vale mais a atitude do que uma porção de nomes de peso no currículo. Isso significa que, na prática, essa principal ferramenta para atrair a atenção do recrutador cai para segundo plano.

Isso não significa, contudo, que a ideia de currículo foi de toda abolida do contexto das startups. “Depois do networking e da apresentação, o currículo é o jeito para você mostrar que tem uma boa base”, diz Emilio Pueschmann, sócio da startup Internet24.

Mas é preciso um cuidado especial na hora de elaborá-lo. Currículo para startup não necessariamente deve ter a mesma lógica do CV que você envia para uma grande empresa.

Pensando nisso, EXAME.com consultou recrutadores de startups já consolidadas no Brasil para saber quais as características de um currículo – ou outros meios possíveis – que os deixam encantados com um possível candidato.

1. Mostrar o Zuckerberg (ou a Madre Teresa) que há em você

Na  hora de recrutar, os sócios de uma startup tem olhos, principalmente, para um ponto: o quanto de espírito empreendedor o candidato em questão nutre dentro de si.

Esse, digamos, sentimento tem que estar claro desde as mais óbvias escolhas de informações que vão parar no currículo. “Ter experiência em desenvolvimento de novos negócios, mesmo que seja em grandes empresas, já é um sinal desse perfil empreendedor, de pessoas que topam começar alguma coisa do zero”, diz Maria Fernanda Ortega, diretora de RH do Peixe Urbano.

“Não adianta só colocar onde você trabalhou. Os resultados alcançados são evidências desse perfil”, diz Pueschmann.

Mas não é só isso. Segundo a especialista, ganha pontos aquele candidato que já teve experiência em trabalho voluntário. “Geralmente, nesse tipo de atividade é possível exercitar as características necessárias para trabalhar em uma startup. Mostra que você acredita num projeto e vai atrás dele”, diz.
 

2. Meu codinome não é só trabalho

Nesse sentido, conta muito também mostrar o quanto plural seu repertório é. Ou seja, paixão pela área do negócio em questão conta muitíssimo. Mas ela não deve ser a única. “Valorizamos pessoas que tenham interesses diversos”, diz Maria Fernanda. “Geralmente, são essas pessoas que pensam fora da caixa”.

Dessa forma, vale incluir hobbies, viagens e até cursos que tenham pouca relação com os negócios em questão.


3. Além do currículo

Quem trabalha em startup vive num ritmo quase na velocidade da luz. Para cativar a atenção de quem atua nesse contexto é preciso suar muito a camisa – literalmente.

Segundo Edney Souza, vice-presidente de publishers da Boo-box, é essencial que o candidato mostre ação – já no primeiro contato com a empresa nascente. “Se você vai trabalhar em uma startup precisa realizar coisas”, diz. Então, nada mais justo do que, junto ao currículo, enviar materiais que comprovem a lista de atributos que você lista ali.

Com isso, links para portfólio e perfis nas redes sociais são indispensáveis. Ele até pode ter passado por boas empresas, mas não ter construído bons relacionamentos. Um link para o perfil dele no Facebook pode apontar isso”, diz Souza.

Dependendo do cargo e negócio em questão, vale também enviar uma carta de apresentação. Em outros casos, entrar em contato com os integrantes da startup de maneira inteligente pode ser uma ótima estratégia.

Em outros termos, a dica é fisgar o recrutador da startup com estratégias que provem que você é a pessoa mais adequada para aquela função e, como consequência, para o crescimento do negócio. “Nosso negócio é redes sociais, se o cara faz um comentário inteligente, eu não vou mandar o contato do RH, vou mandar meu próprio e-mail para ele”, diz Souza.

4 Menos é mais

Mas não pense que esses métodos para atrair os olhares do recrutador limam uma das regras de ouro do bom currículo. Objetividade e concisão seguem como itens essenciais no “documento”.

Dependendo do estágio da startup, os recrutadores recebem centenas de currículos, fugir dessa regra pode até atrapalhar voce no processo de seleção. “É muito importante que a informação seja clara”, diz Maria Fernanda.

“Se o curriculo é muito criativo ou bonito, a gente não liga. O importante é o conteúdo, o que a pessoa fez, o que ela escolheu”, diz Pueschmann. É claro, contudo, que para algumas áreas há exceções. Mesmo nessas, contudo, a clareza das informações deve ser um valor.

5. QI

No restrito (porém, crescente) mundo das startups, networking conta. E muito. Então, se a meta é crescer junto com uma nova empresa, não deixe de frequentar eventos voltados para esse público. É isso que pode fazer a diferença na hora de provar, com seu curriculo, o quanto você será bom para o negócio.