Como diminuir o estresse ao lidar com um chefe controlador?

Segundo a Associação Americana de Psicologia, cerca de 75% dos americanos consideram que o chefe seja “a parte mais estressante do seu dia de trabalho”

Semana passada trouxe uma reflexão aos gestores sobre como lideranças controladoras são nocivas ao desempenho das equipes. Porém, e quando você é o liderado, como agir para diminuir o desconforto dessa situação?

Você sabia que, de acordo com a Associação Americana de Psicologia, cerca de 75% dos americanos consideram que o chefe seja “a parte mais estressante do seu dia de trabalho”?

Além disso, uma pesquisa da Gallup, com 2,5 milhões de profissionais, mostrou que cerca de metade dos funcionários americanos já deixaram um emprego “para fugir de seus gerentes em algum momento de suas carreiras”. Você se identifica?

Para lidar com esse tipo de personalidade, o primeiro passo é compreender que você pode mudar apenas a si mesmo e a forma como lida com seus desafios, e, claro, entender que estratégias usar para que a outra pessoa seja estimulada a refletir sobre como está agindo.

Mas entenda, não é possível controlar o comportamento do seu chefe, afinal, é o controle o vilão dessa história, não é mesmo?  Saiba que, você não precisa ser um líder para ser alguém inspirador e contribuir para que o seu ambiente de trabalho seja um local mais harmonioso e construtivo.

Então, que mudanças em você podem ser usadas para melhorar a relação com um chefe controlador? Identifique quais são as reais prioridades do seu gestor. Observe como ele interfere na execução das tarefas passadas à você ou aos seus colegas e identifique o que há de comum entre essas situações.

O controlador se vale da “ideia” de que há uma boa intenção em suas atitudes. Ele quer manter tudo funcionando perfeitamente, o único problema é que ele acredita que só ele sabe como fazer isso.

Mas, como você contribui para que ele tenha liberdade de te controlar? O que na forma como você trabalha valida a ideia de que ele precisa te manter sob supervisão constante?

Investigue nessa observação, quais são os medos desse gestor e entenda como você pode usar essas informações à favor das suas atitudes profissionais para que ele ganhe confiança em você. Tenha apenas o cuidado de que, ao ganhar essa confiança, ele não te sobrecarregue com mais tarefas.

É importante aprender a como se comunicar com o seu gestor. Ele prefere falas mais breves ou detalhadas? E-mails ou reuniões? Dentro do campo da comunicação é essencial adiantar soluções. Então, peça sempre feedbacks sobre o seu trabalho e descubra como potencializar suas habilidades.

Após criar essa conexão, aproveite um momento a sós – nunca exponha publicamente ninguém, muito menos alguém controlador – e comece elogiando sua dedicação profissional e no momento certo, explique suas necessidades. Fale sobre como você poderia ser mais produtivo se não tivesse que notificar cada passo seu, por exemplo.

Lembre-se sempre que controladores morrem de medo de errar. Traga os feedbacks de maneira gentil e respeitosa para que você não lide com tantas resistências da parte dele.

E que tal se conectar com o que o seu chefe te inspira positivamente? Mesmo que ele seja um completo desafio, com certeza, apresenta aspectos positivos também.

O que nele você admira? Isso fará você sentir mais prazer em trabalhar e até compreender, que ele é uma boa pessoa, cheia de talentos, mas que está atuando de forma errada diante ao estresse e pressão diárias que, assim como você, ele também enfrenta.

Outra dica é, não engula veneno emocional. Caso o seu chefe te faça sentir muita irritação, avalie se realmente vale a pena ficar tão nervoso. Afinal, é o seu corpo que ficará estressado e cheio de toxinas de cortisol, o hormônio do estresse. Respire fundo e busque mais agir do que reagir. Perceba a situação como uma oportunidade de desenvolvimento pessoal.

Se mesmo respirando fundo, adiantando soluções e buscando diálogos, seu gestor continuar com comportamentos abusivos é hora de rever o quanto isso está afetando o seu desenvolvimento profissional e analisar se não é o momento de buscar um novo emprego, com um chefe mais qualificado.

Boa jornada!