Como agir quando o chefe “dá em cima” no ambiente de trabalho?

Especialistas indicam o que fazer quando o profissional é alvo de assédio sexual ou se sente constrangido pela abordagem do superior

São Paulo – Como em qualquer outro ambiente, o espaço profissional possui algumas regras de etiqueta e convivência que mantém o status quo e a eficiência dos trabalhos a serem executados.

Um chefe que passa do limite profissional e “dá em cima” do funcionário com abordagem de caráter sexual está sujeito a consequências que podem ser desde provocar o constrangimento do subordinado a, nos casos graves, ser alvo de processo judicial.

“Se o profissional se sente ameaçado pelo superior, que abusa da autoridade e confiança inerentes ao cargo para ter vantagens sexuais, o caso se configura em assédio sexual”, diz Rosania de Lima, consultora trabalhista do Cenofisco.

Para os casos em que a abordagem é menos agressiva e pode ser contornada, Exame.com perguntou aos especialistas qual a melhor forma de lidar com a situação.

Enfrentar a situação

Para Renata Mello, especialista em etiqueta profissional, a tentativa de evitar a saia-justa dependerá da forma de abordagem do chefe e da personalidade do subordinado. “Esse tipo de situação exige jogo de cintura e, quem consegue, pode driblar ao deixar claro que não tem interesse”, diz a consultora.

Enfrentar a situação com sutileza, reafirmando o posicionamento de que está na empresa apenas para fins profissionais pode afastar o galanteio do superior.

2 Esclarecer mal-entendidos

Quando, apesar dos esclarecimentos sutis, o superior “dá em cima” do profissional, conversar é a solução. “Mesmo quem é tímido e, ao mesmo tempo, não acha que seja o caso de sair do emprego, vale a pena conversar com o chefe e esclarecer o ‘mal-entendido’”, aponta Renata.

Conversar em privado e diretamente sobre a situação é o conselho dado pelos consultores. “Caso isso não seja suficiente, o profissional deve levar a reclamação à área de recursos humanos ou outros responsáveis dentro da empresa”, aconselha Rosania.

3 Sair da empresa

Se o profissional se sentir profissionalmente prejudicado pela investida do chefe ou ameaçado e com medo de retaliações, ele pode recorrer à justiça após sair da empresa. “É possível pedir ação de rescisão indireta e alegar demissão por justa causa pelo empregador”, explica Rosania.

A consultora explica que casos de assédio sexual podem ainda gerar ações por danos morais e até penal, com possibilidade de pagamento de indenização e prisão de um a dois anos do chefe que abusar sexualmente do subordinado.