Boeing nomeia McNerney como novo presidente-executivo

W. James McNerney Jr., que será o terceiro CEO da companhia em menos de dois anos, já havia sido convidado para o cargo

Mais de três meses após a demissão de Harry Stonecipher, a Boeing decidiu apostar em alguém de fora para resgatar sua imagem, abalada pela sucessão de escândalos em que a companhia aérea se envolveu nos últimos anos, segundo o americano The Wall Street Journal. A empresa anunciou, nesta quinta-feira (30/6), W. James McNerney Jr. como o novo presidente-executivo. Desde 2001, McNerney acumulava as presidências executiva e do Conselho de Administração da 3M.

Os problemas na companhia começaram em dezembro de 2003, quando Phil Condit renunciou ao comando da empresa após demitir repentinamente o diretor financeiro Michael Sears, que teria oferecido um emprego a Darleen Druyun, ex-funcionária do departamento de compras da Força Aérea americana. Pelas leis locais, a proposta foi considerada ilegal. Posteriormente, Sears e Darleen confirmaram o episódio e, hoje, cumprem suas penas em presídios federais.

Quando Condit renunciou, a direção da Boeing convidou McNerney para assumir o lugar, mas o executivo recusou a oferta. Por isso, a companhia chamou Stonecipher, então com 67 anos e já aposentado, para melhorar a reputação da empresa perante clientes e investidores. Mas a descoberta, em março, do caso extraconjugal de Stonecipher com uma funcionária da empresa detonou sua demissão. A presidência-executiva passou a ser ocupada, interinamente, por James Bell, diretor financeiro do grupo (se você é assinante, leia também reportagem de EXAME sobre como a Boeing rompeu o limite da privacidade no caso de Stonecipher).

Opção pacífica

A escolha de um substituto para Stonecipher provocou uma disputa interna entre os altos executivos da Boeing. De acordo com o presidente do Conselho de Administração da empresa, Lew Platt, havia o risco de que a indicação de alguém da própria companhia criasse um processo de saída de candidatos descartados para o cargo mas importantes para o negócio.

Assim, trazer McNerney foi também um modo de pacificar a direção da Boeing. McNerney atuou durante 18 anos na General Electric. Entre as unidades que dirigiu, estava a divisão de engenharia aeronáutica da GE, por meio da qual ingressou no Conselho de Administração da Boeing em 2001.

No mesmo ano, assumiu o comando da 3M. Com as medidas que implantou, o lucro operacional da companhia passou a crescer 10% ao ano o dobro da média anual dos anos 90. No ano passado, o lucro líquido da 3M aumentou 24%, para 2,99 bilhões de dólares. Suas vendas chegaram a 20,01 bilhões.