A Unimed São José do Rio Preto agora vai de coaching

O programa foi adotado sob medida para os superintendentes e gerentes da empresa

São José do Rio Preto (SP) – Intensificar a capacitação dos gestores tem sido um dos principais objetivos da Unimed São José do Rio Preto. Só até a metade deste ano, a cooperativa investiu mais de 41.000 reais em treinamento para a liderança, 190% a mais do que em 2011.

“Queremos que os líderes sejam agentes de mudança na empresa e braços do RH para as equipes”, diz Adriana Simões Neves, coordenadora de gestão de pessoas. Há dois anos, esta Unimed implantou o Programa de Capacitação de Líderes, pelo qual passam anualmente os 35 gestores, entre supervisores, coordenadores e gerentes.

O programa é dividido em três módulos. O primeiro ensina, entre outras coisas, a recrutar e reter pessoas. O segundo aborda questões de liderança, como as formas de identificar o perfil de cada um do time e motivar os funcionários. Já o terceiro trata de temas mais técnicos, como finanças, redação empresarial e contabilidade.

Além disso, em maio deste ano teve início o programa de coaching para superintendentes e gerentes. Tanto investimento tem surtido efeito na satisfação das pessoas com seus gestores. “Sei que posso contar com meu chefe para qualquer coisa”, diz um funcionário. Apesar de não ser ofertada previdência privada e de os vales refeição e alimentação e os salários para algumas funções serem considerados aquém do valor de mercado para a região, o pacote de remuneração é elogiado.

Há plano de saúde 100% subsidiado para todos (incluindo dependentes), plano odontológico, participação nos lucros, café da manhã, auxílio-creche para mulheres e subsídio de até 60% para cursos de graduação, pós e MBA — hoje, 24% dos empregados usufruem do benefício. As críticas vão para a política de carreira.

Atualmente não existe um plano formal que ajude os profissionais a planejar seus passos na empresa e nem todos passam pela avaliação de competências, reformulada no ano passado. O programa de recrutamento interno também pode ser melhorado — só 25% das vagas operacionais abertas em 2011 foram preenchidas internamente.

PONTO(S) POSITIVO(S) PONTO(S) A MELHORAR
Os programas voltados à saúde e à qualidade de vida do time, com campanhas de vacinação e de prevenção de doenças, curso para gestantes e ginástica laboral. A oferta de cursos poderia ser maior, com mais treinamentos comportamentais. Nem todas as áreas participam de reuniões periódicas com seus gestores.