A língua portuguesa é machista? Veja a resposta de um professor

Nas regras de concordância, o masculino predomina em diversas circunstâncias

Em mensagens modernas, vem sendo frequente o uso de “X” a fim de que seja garantido um gênero neutro: “alunXs”, em vez do masculino “alunos”; “meninXs”, em vez do masculino “meninos”; “filhXs”, em vez do masculino “filhos”. Além de criativa, a construção faz refletir sobre gênero.

Seria a Língua Portuguesa machista?

Nas regras básicas de concordância, o masculino predomina em diversas circunstâncias.

Por exemplo, quando existem substantivos de gêneros distintos, a norma prevê que o adjetivo fique no masculino plural: “Alice, Gabriela e Enzo são estudiosos.”

Em uma sala de aula, mesmo que predomine o sexo feminino, diz o professor: “Meus alunos são atenciosos.”

No valioso estudo O Machismo na Linguagem: A Concordância Nominal, de Adriano da Gama Kury, chama-me atenção um parágrafo: “E lá vem a prepotência do masculino: nas enumerações de substantivos de gêneros diversos, mesmo que haja um só do masculino, é nesse gênero que fica, por norma, o adjetivo: “Havia papéis, gravuras, revistas e canetas espalhados sobre a mesa.” (A concordância com o nome mais próximo se considera caso excepcional).

Gêneros gramaticais, como se sabe, são dois: masculino e feminino. Para mim, a questão vai além: o fim do preconceito, pois, sim, é preciso. Questiono, às leitoras e aos leitores, se a frase abaixo tem algum machismo:

“O brasileiro é um povo divertido.”

Nem se forçássemos muito, a frase teria ir como para o feminino. Da mesma forma, ninguém pensaria que “a brasileira” estaria de fora. O masculino foi, ali, utilizado por questão de concordância com o próprio termo “povo”. O fato de o gênero masculino (e não o pensamento masculino) ser enraizado à nossa Gramática é questão da História, da Origem da Língua.

Ratifico: estar uma frase no masculino não significa, necessariamente, machismo.

De alguns anos para cá, vimos as inúmeras discussões sobre a forma “presidenta”, aceita pela própria Academia e pelos estudiosos, mas sem a lógica gramatical. No entanto, se demonstra a luta pela igualdade, que sejam utilizadas essa e quaisquer outras formas femininas.

Argumenta ainda Gama Kury: “Não se deve escrever: ‘Henri Lebrun é um advogado de renome, e sua mulher uma bonita morena.’ Como se deve escrever: ‘Os Lebrun formam um belo casal. Henri é um louro bonito, e sua mulher, morena, tem belos cabelos. Cada um é apreciado no domínio da sua profissão: Anne é uma excelente pianista, e Henri um advogado de talento.'”

Na era da luta contra estereótipos, creio que “alunXs” é reflexo do politicamente correto.

Um grande abraço, até a próxima e siga-me pelo Twitter!

Diogo Arrais
@diogoarrais
Professor de Língua Portuguesa – CPJUR
Autor Gramatical pela Editora Saraiva

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Boris Universo

    Mas que idiotice é essa, quando acho que já vi o cúmulo do absurdo, aparece isso. Será que esse povo não sabe que a língua portuguesa se originou do latim vulgar, onde o gênero neutro foi substituído pelo masculino?? E vem cá, colocar “x” só em palavras masculinas, porquê não coloca em palavras como criança (crinaçx), já que é inclusão???

  2. Juliano Salviano

    Que porcaria é essa?

  3. Isaías Ramos

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    não pode ser real