“A força que o Brasil precisa”, qual o erro neste slogan?

Professor Diogo Arrais, do Damásio Educacional, explica qual é o erro de português no slogan " a força que o Brasil precisa", usado na campanha eleitoral

Neste período de corrida eleitoral (época justamente de intenso discurso à Educação), um dos candidatos à Presidência da República resolver adotar a seguinte frase-mestre, nas suas mídias:

“A FORÇA QUE O BRASIL PRECISA!”

Como se sabe, um dos estudos gramaticais mais importantes é a relação regencial de nomes e verbos. O verbo “precisar”, por exemplo, é transitivo indireto e exige a preposição “de”.

Assim sendo, normativamente é a força… A força DE que o Brasil precisa.

Em se tratando de regentes e pronomes relativos, o primeiro passo está exatamente na identificação do nome ou verbo que comanda. Quando houver a exigência da preposição, tal termo deve aparecer antes do pronome relativo em questão.

Ademais, vamos supor que o candidato resolva alterar o verbo em discussão neste texto: no lugar do verbo “precisar”, aparecesse o verbo “acreditar”.

Em sentido estrito, há ainda a dependência do verbo “acreditar” em relação à preposição EM. Colocando-a antes do pronome relativo, temos:

“A FORÇA EM QUE O BRASIL ACREDITA!”

Como gramaticalmente existe uma mesma relação semântica (relativo ao significado) entre os relativos “que” e “o(s) qual”, “a(s) qual”, é talvez mais eufônica construção como:

“A FORÇA NA QUAL O BRASIL ACREDITA!”

De qualquer forma, um país que pensa em valorizar a Educação deveria também perpetuar a importância da Língua Padrão, da Língua que se usa para a construção de atos normativos, da Língua que deve ser utilizada em situações profissionais.

É só uma preposição – muitos diriam.

Um abraço, até a próxima e siga-me pelo Twitter!

 

(Divulgação)

Diogo Arrais
@diogoarrais
Professor de Língua Portuguesa – Damásio Educacional
Autor Gramatical pela Editora Saraiva