4 tipos de preconceito que mulheres enfrentam no trabalho e como vencê-los

Estes obstáculos enfrentados elas não têm a ver com suas habilidades. Os estereótipos de gênero estão entre eles

“A vida não é justa; acostume-se a isso. ” A famosa primeira das “11 regras que você nunca aprenderá na escola” de Bill Gates ecoa em todo mundo, mas provavelmente mais em mulheres do que homens. De acordo com o Índice Global de Lacuna de Gênero (Global Gender Gap Index), são necessários 108 anos para preencher essa diferença. Apesar de modelos econômicos clássicos sugerirem que a discriminação baseada em características como o gênero deve desaparecer naturalmente graças à competição, a realidade parece contar uma história diferente.

A falta de mulheres em setores dominados por homens e altamente remunerados, como os de ciência, tecnologia, engenharia e matemática, é frequentemente citada como um fator crítico por trás do hiato de gênero. Mesmo que as meninas apresentem desempenho tão bom quanto os meninos em testes padronizados de matemática e ciências na escola, menos mulheres consideram uma carreira profissional nesses campos. As mulheres parecem enfrentar diferentes obstáculos que têm pouco a ver com suas habilidades. Os estereótipos de gênero estão entre eles.

Quais são os estereótipos de gênero?

Enquanto os homens são geralmente retratados como tendo características como competência, orientação para realização, inclinação para assumir comando, autonomia e racionalidade, as mulheres estão associadas a características comuns, como preocupação com os outros, tendências a associação, deferência e sensibilidade emocional. Essas características não são apenas diferentes, elas tendem a ser opostas: leigos em média acreditam que os homens não devem ser excessivamente calorosos e que as mulheres não devem ser excessivamente dominantes. A pesquisa sobre essas generalizações tem sido extensa e mostra que elas são consistentes entre culturas, tempo e contexto.

Estereótipos geralmente servem como atalhos para formar impressões sobre pessoas e guiar nossas decisões, sem que elas estejam completamente cientes disso. Os preconceitos de gênero têm consequências importantes para o local de trabalho. Aqui estão alguns exemplos:

• Nenhum crédito onde o crédito é devido
Sempre que as mulheres estão trabalhando com homens em tarefas classificadas como masculinas, é mais provável que os homens sejam creditados pelos sucessos conjuntos e as mulheres sejam mais provavelmente culpadas por fracassos conjuntos. Essas expectativas negativas de desempenho só podem ser anuladas quando a contribuição individual da mulher é inquestionável ou sua competência é muito alta.

• Homens são promovidos em potencial, mulheres são promovidas por desempenho comprovado

Pesquisas mostram que as mulheres são submetidas a padrões mais rígidos de promoção: as mulheres promovidas têm classificações de desempenho mais altas do que os homens promovidos, e as classificações de desempenho estão mais relacionadas às promoções para mulheres do que para homens.

• O efeito backlash: competente, mas autoritária e desagradável
Quando as mulheres contra-atacam seu estereótipo e quebram as expectativas sobre como elas “devem” se comportar, elas pagam o custo: as mulheres dominantes são percebidas como menos agradáveis do que os homens. Uma pesquisa de 2016 com mais de 30.000 funcionários descobriu que as mulheres que negociavam promoções eram 30% mais propensas que os homens a serem rotuladas como intimidadoras, mandonas ou agressivas.

O paradoxo: desafiar ou conformar-se?

Quando as mulheres estão em conformidade com os estereótipos de gênero (por exemplo, mostrando sensibilidade emocional e preocupação com os outros), elas provavelmente são percebidas como menos competentes. Mas, se desafiarem esses estereótipos e se comportarem “como um homem” (por exemplo, mostrando dominância, ambição e racionalidade), serão penalizadas pelo backlash. Mulheres bem-sucedidas nos campos de gênero masculino estão bem cientes desse efeito. Falando no encontro anual da American Economic Association em janeiro, Susan Athey, uma economista de renome mundial, disse: “Passei todo o meu tempo esperando que ninguém se lembrasse que eu era mulher”.

Os homens também podem ser penalizados quando não estão em conformidade com esses estereótipos de gênero. Um estudo recente descobriu que o gênero do ocupante inicial do cargo (um gerente de empréstimo de microcrédito, neste caso) foi suficiente para influenciar a autoridade desfrutada pelos futuros ocupantes da vaga. Em outras palavras, quando pedia crédito a uma gerente do sexo feminino, o cliente se adaptava ao padrão e mostrava-se menos inclinado a concordar ou ser complacente do que com um gerente do sexo masculino. Esse viés permanecia mesmo depois de a gerência passar ao outro gênero (por exemplo, um gerente do sexo masculino em nosso exemplo).

Estereótipos nos prejudicam

Estereótipos são crenças entrincheiradas perpetuadas por homens e mulheres, presentes em nossas mentes desde a infância. Qualquer um pode facilmente cair nessa armadilha. Curioso? Você pode testar sua associação inconsciente entre gênero e ciência/artes fazendo o Teste de Associação Implícita Gênero-Carreira . Setenta por cento das pessoas que realizaram este teste em 34 países associaram a ciência como sendo mais masculina do que feminina.

Infelizmente, a legislação antidiscriminação, códigos de conduta, critérios de diversidade ou ações legais não podem combater essa forma mais sutil de discriminação. Você não pode processar seu chefe por conscientemente ou inconscientemente acreditar que você não tem o que é preciso para ter sucesso.

A bola está em nossa quadra
Chamar a atenção para esses desafios, apenas, não é suficiente. Para mudar a mentalidade, as mulheres devem fazer três coisas:

1. Aprenda – porque conhecimento é poder
Você já teve a sensação de ter sido roubado pela sua oficina? Se sim, você não está sozinho. Um estudo descobriu que as oficinas de reparação de automóveis alteram suas cotações de preço dependendo de como os clientes se mostram informados sobre os mesmos. Quando os interessados mostravam que não tinham ideia sobre quanto o reparo deveria custar, as mulheres acabaram cobradas por um preço mais alto do que os homens. Mas essas diferenças de gênero desapareceram quando um preço de referência foi indicado.

Este exemplo ilustra como uma única informação poderia ajudar a reduzir qualquer discriminação de preços relacionada a gênero (e também pode começar a mudar as expectativas dos mecânicos de automóveis sobre as mulheres). Curiosamente, o estudo também descobriu que as oficinas de consertos eram mais propensas a oferecer um preço mais baixo se solicitadas por uma mulher do que por um homem. Então, mulheres informadas acabaram tendo uma vantagem sobre os homens.O movimento americano #SheCANics é um poderoso exemplo de empoderamento das mulheres por meio de conscientização, educação e apoio.

2. Mova-se com confiança em áreas dominadas por homens e fale
Sejamos honestos: os estereótipos não desaparecem a menos que as pessoas entendam que são prejudiciais. Mulheres em ambientes dominados por homens podem ajudar a aumentar a conscientização. Modelos desempenham um papel crucial na promoção da igualdade de gênero e na luta contra os estereótipos de gênero (por exemplo, Billie Jean King no esporte, a iniciativa Lean In de Sheryl Sandberg e a campanha #banbossy). Até mesmo os anunciantes estão entrando nesse espaço e estão começando a abordar ativamente as mulheres (por exemplo, o anúncio da Gillette, “The Best Men Can Be”, ou o comercial da Serena Williams, “Bumble”).

3. Prepare-se para reagir
As mulheres devem se antecipar e se preparar para reagir a comentários inadequados ou discriminatórios. Por exemplo, quando a celebridade americana Lauren Conrad foi perguntada na rádio “Qual é a sua posição favorita?”, Ela fez uma breve pausa e respondeu “CEO”.
Embora essas perguntas ou comentários tenham sido aceitáveis no passado, nosso papel hoje é garantir que eles não sejam mais tolerados. Aqueles que perpetuam estereótipos de gênero devem sofrer as consequências de tal comportamento. Um exemplo recente é o pedido de desculpas de Martin Solveig depois de fazer um comentário sexista durante a cerimônia do Ballon d’Or. Devemos aceitar que vieses existem, percebê-los e treinar nossos cérebros para superá-los. A vida pode não ser justa, mas podemos fazer algo sobre isso.

*Ina Toegel é professora de liderança e mudança organizacional no IMD.
*Maude Lavanchy é pesquisadora associada do IMD.