“Vou andando”; OAB critica…

“Vou andando”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um pronunciamento no começo desta tarde a respeito da denúncia feita pelo Ministério Público Federal contra ele na quarta-feira 14. Lula disse que é alvo de uma perseguição vinda de setores conservadores da sociedade e que há uma tentativa de impedi-lo de concorrer ao Planalto novamente em 2018 por meio de uma eventual prisão. Lula discursou durante 1 hora e 10 minutos e reafirmou que a denúncia contra ele e sua mulher é mentirosa. O ex-presidente disse que, caso “provem uma corrupção minha, irei a pé para ser preso”.

No ataque

O presidente também atacou os procuradores que fizeram a denúncia. “Ninguém está acima da lei, nem um ex-presidente, nem procuradores”, disse. Em certo momento, relembrou que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em 2002, preferia que ele fosse eleito a Serra, do PSDB. De acordo com Lula, FHC acreditava que o PT não desempenharia um bom papel na Presidência, mas depois se arrependeu. Durante a tarde, num evento no Rio de Janeiro, FHC respondeu que não tem comentários a fazer porque “eles foram feitos pelo Ministério Público” e que essa é a “hora de Lula desabafar”.

Pimentel indiciado

O Superior Tribunal de Justiça autorizou nesta quinta-feira o indiciamento do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, pelo crime de corrupção passiva nas investigações da Operação Acrônimo. O empreiteiro Marcelo Odebrecht também foi indiciado. A operação investiga a influência de agentes públicos para a liberação de empréstimos do BNDES. Pimentel teria atuado para que a Odebrecht fosse beneficiada por esses empréstimos. Na manhã desta quinta-feira, também foi deflagrada a oitava fase da operação, que mais uma vez investiga a Odebrecht. A empresa foi beneficiada por 3 milhões de dólares do BNDES para fazer projetos no exterior.

Bumlai condenado

O juiz federal Sergio Moro condenou o pecuarista José Bumlai, apontado como um dos laranjas do ex-presidente Lula, a nove anos e dez meses de prisão. Bumlai seria o responsável por tomar um empréstimo de 12 milhões de reais no banco Schain e repassar o dinheiro ao PT. Parte desse dinheiro teria sido usado para comprar o silêncio do empresário Ronan Maria Pinto, que estaria chantageando Lula e o partido. Como contrapartida, o Grupo Schain ganhou um contrato de 1,6 bilhão de reais com a Petrobras.

OAB critica

Claudio Lamachia, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, criticou ontem a forma com o Ministério Público Federal apresentou as denúncias contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em entrevista à Rádio Estadão, Lamachia afirmou que o processo é formal e “não pode ser objeto de um espetáculo”. Ele afirmou que a apresentação de provas deve acontecer “de forma mais serene e técnica”. O procurador da República Deltan Dellagnol, coordenador da Lava-Jato, por sua vez, afirmou que o modo de apresentação já foi adotado em outros momentos da operação.

Pessimismo para 2017

O mercado vê um rombo primário de 140 bilhões de reais para 2017 no governo central, que inclui Tesouro, Banco Central e Previdência Social. A expectativa estoura a meta estabelecida para as contas públicas no ano que vem, que fixa um déficit máximo de 139 bilhões de reais. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Fazenda. Para este ano, o déficit primário deve ficar em 160 bilhões de reais, também pior do que os 158 bilhões calculados anteriormente. Em relação à dívida, as previsões seguem as mesmas: ela deve representar 73% do PIB neste ano e 78% no ano que vem.

Embraer: 1.470 na fila de demissão

Nesta quinta-feira, a Embraer divulgou que 1.470 trabalhadores aderiram ao Plano de Demissão Voluntária (PDV), sendo quase 700 metalúrgicos de São José dos Campos. O sindicato da categoria critica o plano e afirma que as demissões são desnecessárias, além de ser fruto de uma política da desnacionalização da Embraer e também do envolvimento da empresa num caso de corrupção investigado pelo Ministério Público Federal do Rio de Janeiro. Um projeto de luta contra as demissões foi aprovado em agosto.

Bancos públicos financiam

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e a Caixa Econômica Federal poderão comprar debêntures de infraestrutura, segundo informou a presidente do BNDES, Maria Silvia, em entrevista à rádio CBN. Os títulos de dívidas serão emitidos para bancar projetos de concessões e privatizações no setor. De acordo com ela, os investidores estrangeiros podem ficar retraídos a participar dos futuros projetos, já que, no passado, houve uma série de concessões problemáticas, como as dos aeroportos do Galeão, no Rio de Janeiro (RJ), e Viracopos, em Campinas (SP).

Trump e Hillary empatados

Uma pesquisa divulgada pelo The New York Times e pela rede de televisão CBS mostra um empate técnico nas eleições presidenciais americanas. Enquanto Hillary Clinton tem 46% das intenções de voto, o republicano Donald Trump conta com 44% dos eleitores. Nesta quinta-feira, Hillary reiniciou suas atividades de campanha, após dois dias de pausa devido a problemas de saúde — a ex-secretária de Estado foi diagnosticada com pneumonia e chegou a passar mal num evento no domingo 11. Enquanto isso, o republicano Donald Trump discursou sobre seus planos econômicos e disse que, sob sua gestão, o PIB americano poderá crescer mais de 4%, o dobro da média dos últimos anos.

iPhone 7 esgotado

A empresa de tecnologia Apple anunciou que as unidades do novo iPhone 7 já estão esgotadas na maioria das lojas ao redor do mundo e também em seus estoques. Até que seja reposto, o produto só poderá ser obtido por encomenda. Contudo, a Apple segue sem divulgar números exatos das vendas. Lançado há uma semana, o smartphone traz uma câmera melhor, duas opções de tamanhos e fones de ouvido sem fio. Impulsionadas pela polêmica envolvendo o rival Galaxy Note 7 da Samsung — cujas baterias defeituosas fizeram explodir dezenas de aparelhos—, as ações da empresa do presidente Tim Cook atingiram na quarta-feira 14 seu valor mais alto em 2016, chegando a 113 dólares.

AdBlock cobrará por anúncios

O AdBlock, popular serviço de bloqueador de anúncios online, passará a vender uma forma de burlar o próprio sistema. A companhia alemã Eyeo GmbH, dona do software, afirmou que anunciantes poderão pagar para que sua propaganda apareça mesmo para usuários que tenham o AdBlocker ativado. A única condição é que os anúncios devem se encaixar em determinado padrão de qualidade: em parceria com a empresa de publicidade digital ComboTag, a dona do AdBlock criará a chamada “plataforma de anúncios aceitáveis” para ajudar os desenvolvedores a criar publicidade que não atrapalhe os usuários.