Versão “Ana Maria Braga” de Dilma não convence, sugere FT

Para Financial Times, PT tenta dar pitada de carisma à imagem de Dilma Rousseff ao apresentá-la como uma "pessoa normal". O problema é que ela parecia desconfortável neste papel

São Paulo – A tentativa da campanha petista para mostrar uma faceta mais comum de Dilma Rousseff virou pauta no jornal britânico Financial Times.

Dos 11 minutos que Dilma tem disponível na TV, pelos menos 40 segundos do programa de estreia no horário eleitoral foram dedicados, na terça, para apresentá-la como uma pessoa comum que trabalha muito e tenta aproveitar qualquer tempinho que resta para ter uma vida normal, afirma a narradora.

Em uma das cenas, a candidata que tenta a reeleição aparece cozinhando macarrão enquanto a narradora explica que ela gosta de cozinhar e tratar do jardim. Cuida da residência oficial com o esmero de qualquer dona de casa.

Aparentemente, o papel não colou. Segundo o texto “Brasil: Dona de casa para presidente”, Dilma parecia desconfortável com a tentativa de servir um espaguete.

A versão Ana Maria Braga de Dilma não seria gratuita. Falta à Dilma o carisma e o toque humano que fez seu antecessor e mentor Luiz Inácio Lula da Silva, tão popular, afirma o texto. Qual a melhor maneira de atrair as massas senão mostrando aos brasileiros que ela é como eles (ou como suas esposas)?.

Quando visitou o programa Mais Você, da Rede Globo, Dilma, no entanto, contou outra história.
Roberto Stuckert Filho/PR

Dilma Rousseff no programa da Ana Maria Braga em 2011

     Quando questionada se já tinha testado a cozinha do Planalto, a presidente então recém-eleita afirmou que não tinha mais tempo.

Antes da eleição, ela contou que gostava de fazer sopas. No fim, a tentativa de omelete de Dilma no programa da Ana Maria Braga rendeu até algumas dicas da apresentadora para a presidente. 

Veja como foi o programa de estreia da candidata do PT à presidência nas Eleições 2014

//www.youtube.com/embed/uZCT-hxpnwA