USP reúne atletas para regulamentar esporte no campus

Cerca de 5 mil corredores e ciclistas se reuniram para o primeiro treinamento de práticas esportivas na Cidade Universitária

São Paulo – Cerca de 5 mil corredores e ciclistas se reuniram na manhã deste sábado, 1º, para participar do primeiro treinamento de práticas esportivas na Universidade de São Paulo (USP), campus Butantã.

Em um circuito de seis quilômetros fechado por cones que dividiram as ruas, o percurso esteve aberto aos corredores das 7h às 12h.

Com o apoio de entidades esportivas, o evento teve sinalização feita por funcionários contratados no dia por apoiadores, além de contar com a consultoria da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

O projeto-piloto é uma das medidas da universidade para regulamentar a atividade física no campus, que recebe cerca de 12 mil corredores todos os sábados. Depois que um ciclista morreu atropelado na USP, a instituição quer rever as regras para uso do espaço por atletas.

O trajeto contemplou as seguintes vias: Avenidas Professor Mello Moraes, Professor Almeida Prado, Professor Luciano Gualberto e Professor Lineu Prestes, além da Praça do Relógio Solar, rua da Praça do Relógio e rua do Anfiteatro.

Foram instalados totens azuis em todo o percurso, informando o horário de funcionamento das áreas destinadas ao ciclismo – Rua do Matão e Praça do Relógio Solar, das 4h às 6h – e à caminhada e corrida.

Mesmo com as limitações, os ciclistas e corredores mantiveram a rotina e usaram trechos fora do percurso delimitado, em diversas vias da cidade universitária. A USP informou que, conforme as regras forem estabelecidas, deverá iniciar um trabalho educativo para uso adequado do trajeto.

Em alguns pontos da caminhada, grupos esportivos distribuíam frutas frescas e água aos corredores, enquanto avaliavam o projeto. Para o treinador Edson Oliveira, da assessoria esportiva BK Sports, o percurso ficou limitado.

“Hoje estava vazio porque choveu, mas imagino que em outros dias isso aqui vai ficar congestionado”. O treinador também reclamou do horário. “Muita gente não vai conseguir vir nesse horário até às 6h, é muito cedo”, comentou.