Extintor de incêndio deixa de ser obrigatório em carros

Em reunião na manhã de hoje, Conselho Nacional de Trânsito decidiu acabar com a obrigatoriedade do equipamento

São Paulo – Os membros do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) decidiram na manhã desta quinta-feira acabar com a obrigatoriedade do uso de extintor de incêndio para carros

A mudança só começará a valer depois que o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) publicar a resolução no Diário Oficial da União – segundo a assessoria, o texto deve ser publicado até o fim da semana que vem. 

A medida, que vigorava há 45 anos, aplicava uma multa de R$127,69 e cinco pontos na carteira de habilitação aos motoristas que não tivessem o ítem no veículo (ou se o equipamento estivesse com data de validade vencida). 

Apesar da exigência ter caído aos automóveis, ela ainda é válida para caminhões, caminhão-trator, micro-ônibus, ônibus, caminhonetes, camionetas, triciclos de cabine fechadas, e veículos destinados ao transporte de produtos inflamáveis, líquidos e gasosos.

Em nota, o Contran afirma que estudos e pesquisas que foram realizadas pelo próprio Denatran constataram que as inovações tecnológicas introduzidas nos veículos resultaram em maior segurança contra incêndio.

Além disso, a publicação destaca o despreparo e falta de treinamento dos condutores. ” […] nos “test crash” realizados na Europa’ e acompanhados por técnicos do Denatran, ficou comprovado que tanto o extintor como o seu suporte provocam fraturas nos passageiros e condutores”, descreve o presidente do Conselho, Alberto Angerami.

Vale lembrar que no início deste ano, o Governo anunciou que os extintores BC deveriam ser trocados pelo modelo ABC. A multa para quem não trocasse passaria a valer a partir de 1º de outubro.