Um resumo do que Lula disse a Moro durante o depoimento

Durante depoimento de quase 5 horas ao juiz Moro, Lula negou conhecimento de propina e reafirmou que não há provas contra ele

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou em depoimento de quase cinco horas ao juiz Sérgio Moro, na tarde de ontem (10), que não há provas de que ele tenha cometido algum crime, negou ter conhecimento de pagamento de propina da empreiteira OAS a funcionários da Petrobras e ao PT e também de ter orientado o presidente da construtora, Léo Pinheiro, a destruir eventuais provas do esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato.

Réu em cinco ações penais, Lula é acusado de ter recebido R$ 3,7 milhões em propina por conta de três contratos entre a OAS e a Petrobras.

O Ministério Público Federal alega que os valores foram repassados ao ex-presidente por meio do repasse e reforma do apartamento 164-A, de 215 metros quadrados, no Edifício Solaris, no Guarujá, e do armazenamento do acervo presidencial.

Tríplex no Guarujá

No depoimento, Lula afirmou que não existem provas, como escritura ou outros documentos em seu nome que certifiquem que o triplex no Condomínio Solaris, no Guarujá (SP) seria dele.

“Se eu cometi um crime, prove que eu cometi um crime. Apresente à sociedade e o Lula será punido como qualquer cidadão é punido. Mas, pelo amor de Deus, apresentem uma prova. Chega de diz-que-diz.”

Espero que o doutor Moro tenha recebido do Ministério Público a prova concreta, cabal, de que o apartamento é meu.”

Eu nem sabia que tinha tido a visita, doutor. Nem sempre elas perguntam para a gente o que vão fazer.”

Sobre visita de sua esposa, Dona Marisa, ao triplex 164-A no Guarujá (SP) em agosto de 2014

Não está assinado, doutor. Talvez quem acusa saiba como foi parar lá. Eu não sei como está um documento lá em casa, sem adesão, de 2004, quando a minha mulher comprou o apartamento [da Bancoop] em 2005.”

Sobre um documento de adesão de uma unidade duplex no edifício que foi apreendido na casa do ex-presidente.

No dia em que eu fui ver, eu me dei conta de que não era possível que eu tivesse um apartamento na Praia das Astúrias. Eu não teria como visitar a praia. Segundo, o apartamento era muito pequeno para uma família de cinco filhos , oito netos e agora uma bisneta”

A verdade é o seguinte: não solicitei, não recebi, não paguei e não tenho nenhum tríplex”

Finanças do PT 

Ao ser perguntado por Moro se sabia que a OAS repassava propina por meio de uma “conta-geral” gerida pelo então tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, Lula respondeu: “Se [eu] tivesse [conhecimento], eles seriam presos bem antes”.

Não conversava de finanças do PT. Eu não era da direção do PT. Ponto. Ele era tesoureiro do PT e eu não era. O PT não tinha que prestar contas a mim”

Quando questionado se tinha conversado com o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto sobre o recebimento de vantagens indevidas em nome da sigla

Eu já estava fora da presidência há 4 anos. Um ex-presidente vale tanto quanto um vaso chinês”

Quando questionado se tomou alguma providência quando veio a tona o caso de corrupção na Petrobras

Por que procurou Renato Duque

Moro questionou Lula sobre um encontro com ex-diretor da Petrobras Renato Duque no Aeroporto Internacional de Congonhas. O ex-agente público admitiu, em depoimento, ter sido questionado por Lula, na ocasião, sobre se teria contas na Suíça.

Segundo Duque, ao ouvir uma negativa sobre a propriedade do dinheiro no exterior, Lula teria dito que “tranquilizaria a ex-presidente Dilma”. A reunião, de acordo com o depoente, teria acontecido em 2014, quando o petista não estava mais no cargo.

.E eu fiz a pergunta simples: tem matérias nos jornais e denúncias que você tem dinheiro no exterior. Que tá pegando da Petrobras e colocando no exterior. Você tem conta no exterior? Ele disse: ‘eu não tenho’. Eu falei: ‘acabou, se não tem, não mentiu pra mim, mentiu para ele mesmo”

Quando questionado porque procurou o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque

“O Vaccari tinha mais amizade com ele do que eu. Eu não tenho nenhuma. Eu não sei se tem amizade. Liguei para o Vaccari e falei: Vaccari, você tem como pedir para o Duque ir numa reunião aqui? Ele falou tenho e ele levou Duque lá”, complementou.

Inicialmente, antes da declaração sobre o encontro, Lula havia dito que só tomou conhecimento da relação de Vaccari com Duque quando foi denunciado. “Não sei (se ambos tinha relação). Eu sei que tinha porque, na denúncia, aparece que eles tinham relação.” (Leia: Lula se contradiz sobre relação de Vaccari com Duque)

Destruição de provas

Em delação premiada, o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, afirmou que Lula o procurou em 2014 para saber se a empreiteira tinha registros documentais do pagamento de propinas. Segundo Pinheiro, o ex-presidente pediu para que as provas fossem destruídas.

Lula nega tal pedido. “Encontrei o Léo Pinheiro mais de uma vez, e jamais disse o que ele falou”, respondeu o ex-presidente. Segundo ele, naquela época de crise econômica, empresários o procuravam para pedir orientações sobre o que fazer para contornar as dificuldades. “Inclusive o Léo”, completou.

O ex-presidente repetiu a afirmação de que tratou sobre o tríplex com Léo Pinheiro apenas em duas ocasiões: em 2013, em uma reunião no Instituto Lula, e quando foi visitar o prédio, em 2014. Segundo ele, nos demais encontros o assunto não era discutido. (Leia: Lula admite que se encontrou com Léo Pinheiro)

Entrou numa introdução de que eu ficava pedindo para as pessoas esconderem documentos. Isso nunca aconteceu e nem nunca vai acontecer”

Ao ser questionado sobre encontros com Léo Pinheiro

Acervo presidencial

Após as indagações de Moro, os procuradores do Ministério Público Federal fizeram seus questionamentos. O MPF apresentou uma fotografia de dois contêineres com as inscrições “sítio” e “praia”. Segundo os procuradores, esses contêineres tinha parte do acervo presidencial, que estava no Palácio da Alvorada.

“Quem pode responder o que tava dentro dessa caixa é quem foi investigar, é quem abriu as caixas. Eu nunca abri uma caixa, nunca visitei o acervo, não sei o que tem dentro. […] O fato de estar escrito ‘praia’ é porque eu ia à praia quando era presidente. Não quer dizer nada”, respondeu Lula.

O MPF também apresentou um documento que supostamente trata do contrato entre a OAS e a Granero para que esta guardasse o acervo presidencial. De acordo com os procuradores, os objetos guardados eram descritos como bens de escritório pertencentes à OAS.

O representante do MPF perguntou por que o documento não menciona o acervo presidencial. “Pelo que eu já ouvi em depoimentos aqui, a origem desse espaço era para a OAS guardar as coisas dela”, respondeu o ex-presidente.

Farpas e promessa

Nas alegações finais, o ex-presidente criticou a imprensa, os vazamentos aos veículos de informação e disse que a denúncia contra ele foi baseada em notícias jornalísticas que levaram os procuradores a produzirem “uma apresentação de PowerPoint” mentirosa e com uma tese política.

“Eu conheço os vazamentos. Eu sei dos vazamentos. É como se o Lula tivesse, pela imprensa, pelo Ministério Público, sendo procurado. […] Se adotou a política de primeiro a imprensa criminalizar”, disse.

Moro rebateu Lula e disse que a imprensa não vai influenciar seu julgamento. “Essa acusação é pública. Não existem vazamentos em relação a essas ações penais. O senhor pode ter certeza de que o processo será julgado com base nas provas e na lei e serão levadas em consideração essas declarações que o senhor fez a esse respeito. Este não é o foro próprio para o senhor reclamar do tratamento da imprensa. O juiz não tem relação com o que a imprensa publica.”

Depois de tudo que tá acontecendo eu tô dizendo alto e bom som que vou querer ser candidato à Presidência da República outra vez.”

Quando um político comete um erro ele é julgado pelo povo, ele não é julgado pelo processo de código penal. Eu fui julgado várias vezes pelo povo.

Assista ao vídeo completo do depoimento

Veja também
Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. No livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”, Dale Carnegie narra como até o famoso criminoso Al Capone, não consegue entender (admitir?) sua culpa. Ele não entende porque as pessoas estavam tão bravas com ele.

    Na verdade, isto é um padrão do ser humano. Dificilmente ele admite os erros.
    Recomendo este livro. É fantástico: http://amzn.to/2q91FWM

  2. Aécio Moura

    “Eu não sei de nada doutor! Isso deve ser coisa da Dona Mariza, doutor! Não é melhor perguntar a ela?

  3. Quem se der o trabalho de ver os videos e não as partes selecionadas pela nossa mídia vai ver o atrevimento e safadeza de um juiz brasileiro tentando perturbar um homem perseguido…

  4. Mula, vai comer seu pão com mortadela e capim!!!!