Curtas – uma seleção do mais importante no Brasil e no mundo

Um plano para a Amazônia?; Previdência já tem os votos no Senado; Brasil fecha Pan em segundo

“Pergunta para o Paulo Guedes”

Após levantamento publicado pela Folha de S. Paulo neste domingo (11) monstrando a decadência de indicadores do Brasil no primeiro semestre de seu governo, o presidente Jair Bolsonaro se esquivou de perguntas em aparecimentos públicos. De passeio em Brasília, nos poucos momentos em que falou com a imprensa, solicitou que os repórteres perguntassem sobre outro assunto, relata o jornal. “Pergunta para o Paulo Guedes, pergunta para o Paulo Guedes. Outra pergunta”, foi a resposta de Bolsonaro ao ser questionado sobre a deterioração dos índices. Na manhã de domingo, o presidente andou de jet-ski no lago do Paranoá, seguiu de moto para uma feira de artesanato, onde foi recebido com gritos variados de “fascista” e “mito”.

Um plano para a Amazônia?

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse ao Broadcast/Estadão que a pasta irá apresentar “em breve” uma estratégia para tratar da preservação da Amazônia. Ele afirmou que a medida irá contemplar “formalizações, regularizações, regulação e ações de fiscalização, além de um modelo de pagamento por serviços ambientais”. Segundo Salles, se a Alemanha desejar, poderá “ajudar”. A Alemanha decidiu suspender o apoio financeiro dado a projetos de conservação florestal e biodiversidade na Amazônia, disse a ministra do meio ambiente alemã, Svenja Schulze, em entrevista concedida ao jornal Tagesspiegel. Mais cedo, ao ser perguntado sobre a suspensão, o presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (11) que a Alemanha “vai deixar de comprar à prestação a Amazônia”. “Pode fazer bom uso dessa grana, no Brasil não precisa disso”, afirmou.

Previdência já tem os votos no Senado

A reforma da Previdência já tem os votos necessários para ser aprovada no plenário do Senado Federal. O Placar da Previdência, elaborado pelo “Estado”, aponta 53 votos “sim” ao texto. É mais que o número necessário para fazer uma mudança na Constituição, que requer o apoio de 49 senadores em dois turnos de votação. Antes de ir a plenário, a proposta precisa do aval da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa. O relator, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), prometeu entregar o parecer em até três semanas. No levantamento, 13 senadores se declararam contrários à proposta. Quatro se disseram indecisos e outros dez não quiseram responder. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) pretende aprovar a reforma em até 60 dias.

Eike solto após 55 horas

A prisão temporária do empresário Eike Batista foi revogada na noite deste sábado (10) pela desembargadora federal Simone Schreiber. Eike estava preso desde a última quinta-feira (8) no presídio de Benfica, na zona norte do Rio, investigado por manipulação do mercado de capitais e lavagem de dinheiro do esquema comandado pelo ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB). O empresário deixou o presídio de Benfica, na zona norte do Rio, por volta das 21h45 de sábado (10), horas após conseguir um habeas corpus concedido pela Justiça Federal no Rio de Janeiro. Segundo a secretaria estadual de Administração Penitenciária (Seap), Eike permaneceu cerca de 55 horas preso – ele havia sido detido na quinta-feira (8), investigado por manipulação do mercado de capitais e lavagem de dinheiro do esquema comandado pelo ex-governador do Rio, Sérgio Cabral (MDB).

O escândalo Epstein

O escândalo cresce nos Estados Unidos após a morte na prisão do magnata Jeffrey Epstein, ocorrida neste sábado, uma vez que muitos acreditam que o sexagenário, que tinha numerosas conexões com o poder, pode ter sido assassinado, em vez de ter cometido suicídio. As teorias da conspiração, retomadas pelo presidente Donald Trump, e a exigência de uma investigação independente alimentam o escândalo. O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, anunciou a abertura de duas investigações, uma do FBI e outra conduzida pelo Departamento de Justiça, sobre a morte do milionário, figura do jet set até ser preso em Nova York no começo de julho, acusado de múltiplas agressões, supostamente contra mulheres menores de idade.

Brasil fecha Pan em segundo

Com 55 medalhas de ouro, 45 de prata e 71 de bronze, o Brasil garantiu em Lima, no Peru, sua melhor campanha na história dos Jogos Pan-Americanos, voltando a ocupar a segunda posição da classificação geral pela primeira vez desde 1963, quando a competição foi organizada na cidade de São Paulo. As 171 medalhas conquistadas pelos atletas do país em Lima deixaram o Time Brasil atrás apenas dos Estados Unidos, que subiram no pódio 293 vezes – 120 ouros, 88 pratas e 85 bronzes -, o melhor desempenho dos americanos desde o Pan de 1995, em Mar del Plata, na Argentina. Esta também foi a melhor campanha da história do Brasil em Pan-Americanos. Com o desempenho em Lima, o país superou os 52 ouros, 40 pratas e 57 bronzes – 157 no total – conquistados em 2007, quando a competição foi realizada no Rio de Janeiro. Na ocasião, Cuba ficou com a segunda posição na classificação, atrás dos EUA. O Brasil ainda conquistou em Lima 29 vagas olímpicas, objetivo principal da delegação.