Temer em dia de reforma: nove ministros assumem pastas

ÀS SETE - As mudanças foram conduzidas pelo presidente após saída dos ministros que pretendem disputar as eleições deste ano

O governo do presidente Michel Temer anunciará uma troca por atacado no ministério, nesta terça-feira. Nove ministros devem tomar posse, em cerimônia marcada para as 15h no Palácio do Planalto.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

São eles: Eduardo Guardia (Fazenda), Rossieli Soares da Silva (Educação), Alberto Beltrame (Desenvolvimento Social), Marcos Jorge (Indústria, Comércio Exterior e Serviços), Esteves Colnago (Planejamento), Leandro Cruz Fróes da Silva (Esporte), Vinicius Lummertz (Turismo), Antônio de Pádua de Deus (Integração Nacional) e Moreira Franco (Minas e Energia).

A reforma ministerial foi conduzida por Temer em virtude da desincompatibilização, a necessária saída dos ministros que pretendem disputar as eleições deste ano.

Os escolhidos para os novos cargos reforçam uma dualidade do governo Temer: um misto de nomes técnicos e bem recebidos pelo mercado, como Eduardo Guardia na Fazenda, com indicações que não encontram muita explicação para além dos interesses políticos (e até pessoais).

O principal exemplo é o novo comandante do ministério de Minas e Energia, Moreira Franco,

um dos aliados mais próximos de Temer, que deixa a Secretaria-Geral da Presidência da República. O presidente ainda não definiu quem ocupará a pasta.

Outro nome que levantou dúvidas foi o de Dyogo Oliveira, que deixou o Ministério do Planejamento para assumir o BNDES, em anúncio que foi realizado ontem, no Rio de Janeiro.

A escolha de Moreira levou à renúncia do presidente da Empresa de Pesquisa Energética, Luiz Barroso, nesta segunda-feira. Paulo Pedrosa, secretário executivo do ministério, já havia entregado o cargo semana passada.

Depois de cair 9% na sexta-feira, as ações da Eletrobras voltaram a cair ontem: as ordinárias despencaram mais 9,6%. A leitura é que a escolha de Moreira trouxe novas dúvidas sobre a privatização da companhia, uma das prioridades para o governo até o fim do mandato.

A dicotomia entre as boas práticas econômicas e o jeitão MDB de fazer política continuam dando o tom em Brasília.