Curtas – uma seleção do mais importante no Brasil e no mundo

ÀS SETE – Leiloado por 450 milhões de dólares, quadro de Da Vinci se tornou a obra mais cara da história

Temer e a tendência do Brasil

Em ato de comemoração pelo dia da Proclamação da República, o presidente Michel Temer (PMDB) disse ver “tendências” para o autoritarismo e a centralização do poder ao longo da história do país. O discurso foi feito em Itu, cidade do interior de São Paulo considerada “berço da República” por ter sediado inicialmente o movimento contra a monarquia. “Se nós não prestigiarmos certos princípios constitucionais, a nossa tendência é sempre caminhar para o autoritarismo, para uma certa centralização. Nós até, o povo brasileiro, temos até uma certa tendência para a centralização”, afirmou o presidente, que discursava sobre a independência entre os poderes e exaltava o diálogo com o Legislativo e o Judiciário.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Puccinelli solto

O desembargador Paulo Fontes, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), concedeu nesta quarta-feira um habeas corpus, em caráter liminar, para soltar o ex-governador de Mato Grosso do Sul André Puccinelli (PMDB) e o filho dele, o advogado André Puccinelli Júnior. Eles foram presos preventivamente na manhã desta terça-feira pela Polícia Federal, na Operação Papiro de Lama, quinta fase da Operação Lama Asfáltica, que investiga escândalos de corrupção no estado. Com a decisão do TRF-3, o ex-governador e o filho deixaram o Complexo Penitenciário de Campo Grande ainda nesta quarta. Os dois terão que devolver cerca de 22 milhões de reais aos cofres públicos. Segundo as investigações, André Puccinelli, que comandou o estado entre 2006 e 2014, e o filho chefiaram por quase dez anos um esquema de corrupção responsável por um prejuízo de mais de 235 milhões de reais aos cofres públicos.

A disputa pelo sigilo no Rio

A Procuradoria-geral da República recorreu nesta quarta-feira da decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), de retirar o sigilo da delação premiada ainda não homologada de Renato Pereira, marqueteiro que narrou irregularidades em campanhas eleitorais do PMDB no Rio de Janeiro, entre outros casos. Para a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a decisão do ministro traz risco à segurança do delator e atrapalha as investigações. O ministro retirou nesta terça o sigilo da delação de Pereira sob a alegação de que “vazamentos ilícitos” já revelaram seu conteúdo sigiloso. Dodge se insurgiu contra a decisão, apresentando embargos de declaração, alegando que ela não leva em conta a segurança do delator, que deve ser resguardada pela Justiça. Ela pede a restauração imediata do segredo de justiça da delação.

Dodge denuncia Gonzaga

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou ao Supremo Tribunal Federal (STF) o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Admar Gonzaga por lesão corporal resultante de violência doméstica contra a mulher, Élida Souza Matos. Os detalhes da denúncia ainda não foram tornados públicos, embora não haja sigilo. A peça em que a Procuradoria-Geral da República faz a denúncia, protocolada na noite da terça-feira, ainda não se encontra disponível para consulta no STF. Mesmo com a renúncia de Élida à acusação, o caso seguiu no STF, já que ministros do TSE tem prerrogativa de foro. Ela alegou ter sido agredida com empurrões.

Líbano vs. Arábia Saudita

O presidente do Líbano, Michel Aoun, acusou a Arábia Saudita de promover um “ato de agressão” pelo que considera ser a “detenção” do primeiro-ministro do país, Saad Hariri. “Não aceitaremos que ele prossiga como um prisioneiro cuja razão para a detenção não sabemos”, declarou o oficial libanês em pronunciamento nesta quarta-feira, segundo a agência Reuters. A declaração de Aoun, liderança cristã-maronita na política local, vem um dia após Hariri afirmar por meio de seu Twitter que voltaria ao Líbano “em dois dias”. O premiê libanês está na Arábia Saudita desde o dia 4 de novembro, quando anunciou de Riad que deixaria o seu posto no governo. No último domingo, depois de o Hezbollah ter denunciado que os sauditas estariam impedindo o retorno do político ao seu país e afirmado que a renúncia ao cargo teria sido “forçada”, Hariri declarou em entrevista para uma TV do Líbano que ele e sua família não são prisioneiros.

A tela mais cara

Um quadro de Leonardo Da Vinci, Salvator Mundi, em que retrata Cristo com uma esfera de cristal na mão foi leiloada por 450 milhões de dólares, ou 1,5 bilhão de reais em Nova York, tornando-se a obra mais cara da história. A peça começou o leilão cotada a 70 milhões de dólares, e em 20 minutos chegou ao valor estratosférico. O preço da tela, pintada há 500 anos e que em 1958 foi vendida por apenas 10.000 dólares, é mais do que o dobro dos 179 milhões de dólares pagos por uma tela de Picasso há dois anos.

Corinthianos e peruanos em festa

A noite de quarta-feira foi de resultados importantes no futebol. Em São Paulo, o Corinthians venceu o Fluminense por 3 a 1, de virada, e conquistou pela sétima vez o campeonato brasileiro. O Corinthians também virou o maior campeão da era dos pontos corridos, com quatro conquistas: 2005, 2011, 2015 e 2017. Em Lima, o Peru derrotou a Nova Zelândia por 2 a 0 e tornou-se a última seleção a conseguir vaga para a Copa do Mundo da Rússia. Os peruanos não chegavam ao mundial desde 1982. Mais cedo, também nesta quarta-feira, a Austrália também confirmou sua participação ao derrotar Honduras por 3 a 1.