Temer cita ‘democracia eficiente’ e Mantega ‘realista’

Vice-presidente considera que a demanda das ruas é por eficiência, porque quem não tinha acesso ao transporte, agora utiliza ônibus lotados

São Paulo – O Brasil passa por uma nova fase, na visão do vice-presidente da República, Michel Temer, que a classifica de “democracia eficiente”. Segundo ele, desde a Constituição de 1988, a democracia brasileira passou por três fases: a primeira, das liberdades individuais, e a segunda, da democracia social, de acesso a bens e serviços que antes estavam indisponíveis a uma parcela da população.

“Mas essas duas fases de democracia não foram suficientes. Estamos agora na terceira fase, a da democracia eficiente”, declarou na noite desta quinta-feira, 29, em evento na capital paulista. O vice-presidente considera que a demanda das ruas é por eficiência, porque quem não tinha acesso ao transporte, agora utiliza ônibus lotados.

Temer aproveitou para classificar “não de otimista, mas realista” o discurso do ministro da Fazenda, Guido Mantega, que falou um pouco antes dele em evento da revista Isto É Dinheiro. Mantega citou a turbulência internacional em função dos movimentos do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) e demonstrou mais uma vez muita confiança na economia brasileira.

“Investimentos virão nos próximos anos, abrindo espaço para empresas nacionais”, endossou Temer. O vice-presidente afirmou ainda que é importante haver interação entre a atividade privada e a pública. “Sem o setor privado, o Estado subexiste.” O governo federal continua firme em programa de concessões de infraestrutura, que têm leilões previstos até o fim do ano e espera despertar bastante apetite de empresários brasileiros e estrangeiros.