Curtas – uma seleção do mais importante no Brasil e no mundo

Loft recebe aporte de US$ 175 mi e vira unicórnio; Taxação de energia solar?; Xerox + H

Luto no Irã

A segunda-feira foi dia de luto no Irã. Milhares de pessoas se reuniram no centro de Teerã para homenagear Soleimani. O líder supremo do Irã, Ali Khamenei, somou-se à multidão que gritava “morte aos Estados Unidos” e “morte a Israel”, e chorou. Participaram da cerimônia os chefes dos poderes executivo, judicial e legislativo, membros do governo, deputados, altos comandantes militares e representantes diplomáticos de países aliados. Os restos mortais de Soleimani e do vice-presidente da milícia xiita iraquiana, Abu Mahdi al-Muhandis, que morreu no mesmo ataque, chegaram ao Irã no domingo. O funeral continuará na terça-feira na cidade natal de Soleimani, Kerman, no sul do país, onde será enterrado ao lado de dois heróis nacionais, com os quais combateu na guerra Irã-Iraque.

Focus prevê PIB em alta de 2,3%

Analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central mantiveram em 2,3% a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2020. Os dados estão na primeira edição do Boletim Focus do ano, pesquisa feita com bancos e instituições financeiras e divulgada nesta segunda-feira 6. Analistas seguem acreditando em um ano de retomada econômica e com dados melhores que nos anos anteriores. Caso a previsão se confirme, 2020 será o ano de maior crescimento econômico desde 2013, quando o país cresceu 3%. Para 2019, os analistas também mantiveram a previsão de crescimento da semana anterior, de 1,17%. Os dados oficiais do PIB brasileiro de 2019 serão divulgados em março pelo IBGE. Se o país crescer no patamar estimado pelos economistas, o avanço no PIB será maior que o resultado de 2018, que foi de 1,1%.

Férias coletivas: Embraer prepara fusão com Boeing

A Embraer concedeu férias coletivas aos funcionários de suas unidades no Brasil desta segunda-feira até o dia 20 deste mês. Segundo a empresa, nesse período, será implementada a separação interna dos negócios de aviação comercial das demais atividades, como parte do processo de fusão com norte-americana Boeing, iniciado em 2018. A companhia destacou, no entanto, que a conclusão das mudanças ainda aguarda aprovação das autoridades de concorrência brasileiras. O acordo em andamento entre as duas companhias prevê a criação de uma nova companhia, uma joint venture, na qual a Boeing terá 80% e a Embraer, 20%. A nova empresa não vai absorver as atividades relacionadas a aeronaves para segurança nacional e jatos executivos, que continuarão somente com a Embraer.

Xerox obtém fundos para comprar HP

A Xerox declarou nesta segunda-feira que conseguiu os 24 bilhões de dólares necessários para financiar sua oferta de compra da fabricante de computadores HP, por 33,5 bilhões de dólares. A HP rejeitou a oferta de 22 dólares por ação em novembro, dizendo que o valor subvalorizava significativamente a empresa, com a Xerox depois levando a oferta direta aos acionistas da HP. O presidente-executivo da Xerox, John Visentin, disse que iniciou um “diálogo construtivo” com os acionistas da HP, em carta ao conselho da empresa

Loft recebe aporte de US$ 175 mi e vira unicórnio

A Loft, startup de compra e venda de imóveis, anunciou ter recebido um novo aporte de 175 milhões de dólares em sua terceira rodada de investimentos. Com o aporte, a startup atinge um valor estimado de mais de 1 bilhão de dólares – é o 11º unicórnio brasileiro e primeira startup a atingir a marca em 2020.  As empresas Vulcan Capital e Andreessen Horowitz co-lideraram a rodada, com a participação da QED Investors, Fifth Wall Ventures, Thrive Capital, Valor Capital, Monashees e outros. A Loft é o único investimento da Vulcan Capital na América Latina e o único investimento brasileiro para Andreessen Horowitz. A startup já levantou 275 milhões de dólares em investimentos.

Raça em extinção

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que os jornalistas brasileiros são uma “raça em extinção”. É mais um de reiterados ataques do presidente à imprensa. “Quem não lê jornal não está informado. E quem lê está desinformado. Tem de mudar isso. Vocês são uma espécie em extinção. Eu acho que vou botar os jornalistas do Brasil vinculados ao Ibama [Instituto Brasileiro do Meio Ambiente]. Vocês são uma raça em extinção”, afirmou. “É importante a informação, não a desinformação ou o fake news. Por exemplo, eu cancelei todos os jornais do Palácio do Planalto. Todos, todos, não recebo mais papel de jornal ou revista. Quem quiser que vai comprar”, disse.

Taxação da energia solar?

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que o Congresso deve travar o avanço da taxação da energia solar. Há uma proposta da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para reduzir incentivos à chamada geração distribuída de energia, que envolve principalmente a instalação de placas solares em telhados e terrenos por consumidores. Segundo Bolsonaro, o Congresso colocará em votação um projeto de lei proibindo a taxação de energia gerada por radiação solar. No último domingo, Bolsonaro já havia dito ser contra a taxação no modelo de energia solar. 

Grupo de Lima reconhece Guiadó

O Grupo de Lima respaldou a reeleição do líder de oposição Juan Guaidó como chefe da Assembleia Nacional e presidente interino da Venezuela, informou o bloco em comunicado nesta segunda-feira, sem as assinaturas do México e da Argentina. Guaidó foi reeleito no domingo em uma sessão realizada fora do palácio legislativo, uma vez que o governo de Nicolás Maduro forçou uma votação que impôs uma nova liderança para o Congresso depois que militares armados impediram que os deputados de oposição entrassem no edifício. A votação “pela maioria parlamentar em favor da reeleição de Juan Guaidó, atendo-se à Constituição e à lei, representa uma rejeição das ações temerárias do regime de Nicolás Maduro que buscaram impedir sua designação”, disse o Grupo de Lima, criado em 2017.

Pressão japonesa

O Japão ainda pode pressionar o Líbano a extraditar Carlos Ghosn, depois que o ex-chefe da Nissan Motor desistiu da fiança para se tornar um fugitivo em um país que normalmente não extradita seus cidadãos, disse nesta segunda-feira a ministra da Justiça, Masako Mori. Mais cedo, a imprensa divulgou novos detalhes da saída dele do Japão, revelando que ele tomou um trem da capital, Tóquio, até Osaka, de onde embarcou em um avião para sair do país. A ministra observou que, como princípio geral, o governo japonês poderia solicitar extradição de um país com o qual não possui acordo formal. Esse pedido precisaria ser cuidadosamente examinado com base na possibilidade de “garantir a reciprocidade e a lei nacional do país parceiro”, disse Masako a repórteres em Tóquio.