Sobe para 121 o número de mortos no rompimento da barragem da Vale

Ainda há 226 desaparecidos, conforme o balanço divulgado neste sábado pelo Corpo de Bombeiros

O número de mortos na catástrofe provocada no último dia 25 no colapso da barragem de resíduos da Vale em Brumadinho, Minas Gerais, subiu para 121, enquanto as autoridades continuam procurando 226 desaparecidos, conforme o balanço divulgado neste sábado pelo Corpo de Bombeiros.

De acordo com o porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, tenente Pedro Aihara, as equipes de busca e resgate identificaram uma área onde “possivelmente” está “um grande número de vítimas”. Segundo ele, os trabalhos de hoje se concentrarão lá, mas não serão limitados a este local.

“Estamos com muitas equipes de busca e também com cães farejadores no local. Já identificamos três pontos com corpos. Agora, vamos começar os trabalhos de escavação na área”, afirmou ele.

O tenente também garantiu que as busca continuarão “até que o último corpo ser entregue”.

“O Corpo de Bombeiros permanecerá até que o último corpo ser entregue aos familiares das vítimas ou até o momento em que a recuperação dos corpos for inviável. Nós não encerraremos a operação. Este é um compromisso assumido não só pelo Corpo de Bombeiros, como pelo governo”, explicou.

Os bombeiros receberam nesta manhã o reforço de 60 militares, que auxiliarão nos trabalhos nos próximos dias.

Minutos antes da divulgação do balanço mais recente, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, pediu que a Vale assuma a responsabilidade pela tragédia em Brumadinho e pediu “respostas” sobre o desastre.

“Esperamos respostas efetivas e rápidas por parte de Vale a respeito deste desastre”, disse ele, em entrevista coletiva, depois de ter sobrevoado a área atingida e participado de uma reunião com autoridades e famílias das vítimas.

Zema disse que, nove dias depois da catástrofe, é necessário que a Vale “assuma efetivamente a sua responsabilidade”, tanto em matéria de impactos ambientais quanto nos quesitos social e econômico.

Por fim, o governador elogiou o “nobre trabalho” que tem sido feito nos últimos dias e afirmou que o governo federal fez “todo o possível” para apoiar tanto o município quanto o governo de Minas Gerais.