Curtas – uma seleção do mais importante no Brasil e no mundo

Skaf e Doria empatados em SP; Paes e Romário empatados no Rio; presidente Kim Jong Um aceita fechar área de mísseis e mais…

Skaf e Doria empatados em SP

Os candidatos ao governo do Estado de São Paulo João Doria (PSDB) e Paulo Skaf (MDB) continuam tecnicamente empatados em primeiro lugar, diz a mais recente pesquisa eleitoral Ibope/Estado/TV Globo, divulgada nesta quarta-feira, 19. Skaf aparece com 24% e Doria, com 23%. A margem de erro é de três pontos porcentuais. Em relação à última pesquisa Ibope, divulgada em 10 de setembro, Skaf e Doria oscilaram positivamente, cada um, em dois pontos porcentuais. Em terceiro lugar aparece Márcio França, com 9% – um ponto porcentual a mais do que na última pesquisa. Em seguida, o levantamento mostra Luiz Marinho (PT), que oscilou positivamente de 5% para 8%, Major Costa e Silva (DC) e Professora Lisete (PSOL) com 2% – a professora oscilou positivamente em um ponto em relação à última pesquisa -, e em seguida Marcelo Candido (PDT), Professor Claudio Fernando (PMN), Rodrigo Tavares (PRTB), Toninho Ferreira (PSTU) e Rogerio Chequer (Novo), cada um com 1%.

Paes e Romário empatados no Rio

A diferença entre Eduardo Paes (DEM) e Romário (Podemos) subiu de três para seis pontos porcentuais, de acordo com pesquisa Ibope divulgada na noite desta quarta-feira, 19. Ainda assim, os dois permanecem em situação de empate técnico nas eleições 2018, considerando-se a margem de erro de três pontos porcentuais. A intenção de voto em Paes oscilou de 23% para 24%, enquanto a de Romário foi de 20% para 18%. No limite da margem de erro, o candidato do Podemos aparece tecnicamente empatado com Anthony Garotinho (PRP), que manteve os 12% do levantamento passado. Tarcísio Motta (PSOL) oscilou de 5% para 4%. Indio da Costa (PSD) manteve os 4% da pesquisa anterior, enquanto Pedro Fernandes (PDT) permaneceu com 2%. Márcia Tiburi (PT) foi de 1% para 2%, mesma oscilação de Wilson Witzel (PSC). Marcelo Trindade (Novo) passou de 2% para 1%. Apareceram com 1% André Monteiro (PRTB), Dayse Oliveira (PSTU) e Luiz Eugenio (PCO).

Bolsonaro liga para Guedes

Mesmo na unidade de terapia semi-intensiva do hospital Albert Einstein, o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, telefonou na manhã desta quarta-feira para o seu principal assessor econômico, Paulo Guedes, para pedir explicações sobre uma proposta atribuída a ele de recriar um imposto nos moldes da CPMF, disse à Reuters o coordenador da campanha do presidenciável em São Paulo, deputado Major Olimpio. A proposta foi atribuída a Guedes, que deverá tornar-se ministro da Fazenda se Bolsonaro vencer a eleição de outubro,pela edição desta quarta do jornal Folha de S.Paulo. Segundo Olimpio, Bolsonaro conversou logo cedo por telefone com Guedes sobre a proposta assim que tomou conhecimento dela pela imprensa. Ele não tinha sido consultado pelo economista sobre o assunto. Guedes explicou a Bolsonaro que jamais teve a intenção de recriar a CPMF, mas sim a adoção de um Imposto sobre Valor Agregado (IVA) em uma simplificação tributária a ser implementada pelo novo governo e que não iria aumentar a carga tributária.

Cunha sem chance

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu para que o ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha continue preso, nesta quarta-feira (19). Em manifestação ao Supremo Tribunal Federal (STF), a procuradora afirmou que a prisão tem como justificativa impedir que o ex-deputado volte a cometer crimes. “Imaginar que uma vida criminosa, como a do paciente, será interrompida por mágica é algo muito pueril. Não é isso que a realidade demonstra”, escreveu em parecer encaminhado ao ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo. Esta é a segunda vez que Raquel Dodge se pronuncia contra a liberdade de Cunha. Em agosto, ela recorreu à concessão de um habeas corpus ao ex-deputado, dado pelo ministro Marco Aurélio Mello. Mesmo com o habeas corpus, Cunha permaneceu preso por ter outros três decretos de prisão preventiva expedidos no âmbito da Operação Lava Jato.

BC: juros permanecem em 6,5%

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central manteve, nesta quarta-feira (19), a taxa de juros (Selic) em 6,5%. Segundo o Comitê, o cenário externo permanece desafiador, com redução do apetite ao risco em relação a economias emergentes, e por isso as expectativas de inflação para 2018 e 2019 apuradas pela pesquisa Focus encontram-se em torno de 4,1%. O BC ainda informou que as expectativas para 2020 permaneceram em torno de 4,0% e as expectativas para 2021 recuaram para em torno de 3,9%. O Comitê enfatizou que a continuidade do processo de reformas e ajustes são necessários na economia brasileira para a manutenção da inflação baixa no médio e longo prazos, para a queda da taxa de juros estrutural e para a recuperação sustentável da economia. O Comitê ressalta ainda que a percepção de continuidade da agenda de reformas afeta as expectativas e projeções macroeconômicas correntes.

Os emergentes pagarão o pato

O diretor geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, afirmou que o acirramento da guerra comercial no mundo e o avanço de medidas protecionistas devem ter um impacto maior sobre os países emergentes e em desenvolvimento. Segundo ele, a taxa de câmbio desses países, tais como Argentina e Turquia, já refletem essas novas tensões comercias. “O aumento de barreiras cria muita incerteza e vai afetar o crescimento do comércio e o PIB mundial. Decisões de investimentos têm mais cautela e há impacto nas economias emergentes. As taxas de câmbio estão refletindo a instabilidade internacional”, afirmou. “É provável que os emergentes e os países em desenvolvimento sejam mais afetados”. A prolongada disputa comercial entre a China e os Estados Unidos se intensificou novamente nesta semana, uma vez que a China impôs tarifas sobre 60 bilhões de dólares em produtos norte-americanos em retaliação à última rodada de tarifas dos EUA sobre produtos chineses.

PIB argentino encolhe

O governo da Argentina divulgou dados sobre seu Produto Interno Bruto (PIB), nesta quarta, e mostrou queda de 4,2% no segundo trimestre. No primeiro trimestre deste ano, o PIB avançou 3,9%, porcentagem igual à registrada no quarto trimestre de 2017. O país passa uma crise econômica, com uma inflação anual de quase 50%. No mês retrasado, o presidente argentino Mauricio Macri pediu um empréstimo ao Fundo Monetário Internacional (FMI), de 50 bilhões de dólares, e prometeu, em contrapartida, realizar uma série de políticas de austeridade.

Sem armas nucleares, permanentemente

O presidente da Coreia do Norte, Kim Jong Um, aceitou fechar “de forma permanente” a área de testes de mísseis Sohae, nesta quarta-feira (19). Durante a visita do presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, Kim ainda afirmou que pode viajar a Seul em um futuro próximo, no que seria a primeira visita de um governante da Coreia do Norte à capital sul-coreana desde a divisão da península. Moon visitou a capital norte-coreana com o objetivo de relançar as negociações sobre a desnuclearização da Coreia do Norte Península. O presidente sul-coreano anunciou ainda que a Coreia do Norte aceitou “fechar de forma permanente” a área de testes de mísseis de Tongchang-ri, também conhecida como Sohae, “na presença de especialistas dos países afetados”. A Coreia do Norte é alvo de múltiplas sanções do Conselho de Segurança da ONU devido a seus programas nuclear e balístico, proibidos, e já realizou vários lançamentos de mísseis a partir de Tongchang-ri. O presidente sul-coreano afirmou ainda que a Coreia do Norte poderá fechar o complexo nuclear de Yongbyon, desde que Washington adote as “medidas correspondentes”, uma medida também formulada de forma vaga.

Campanha olímpica coreana

Além do avanço no diálogo diplomático e militar, as Coreias do Norte e do Sul anunciaram uma candidatura conjunta às Olimpíadas de 2032. Kim Jong-un e Moon Jae-in confirmaram o projeto ao final da cúpula intercoreana de Pyongyang, em comunicado sem maiores detalhes. A campanha olímpica exigirá um nível sem precedentes de cooperação e confiança mútua entre os dois países. Os líderes coreanos também revelaram um acordo para “participar conjuntamente em competições internacionais”, incluindo os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020. No início do ano, os Jogos de Inverno de Pyeongchang serviram como um sinal de pacificação nas relações entre os países vizinhos. Neste ano, em Pyeongchang, e nos Jogos Asiáticos, em Jacarta e Palembang, os dois países aturam com times misturados.